Cenário dinâmico é pauta do 19° Fórum de Profissões no Arquidiocesano

Cenário dinâmico é pauta do 19° Fórum de Profissões no Arquidiocesano

Paulo Adolfo

29 Agosto 2017 | 16h18

Mais um sábado lotado de jovens no Arquidiocesano por conta da 19ª edição do Fórum Teenager de Universidades e Profissões. O evento realizado pela Teenager Assessoria Profissional, em parceria com o Colégio Marista Arquidiocesano, reuniu 3.830 pessoas, entre jovens estudantes, pais e educadores.

Como de costume, a palestra de abertura ficou por conta do professor e psicoterapeuta Leo Fraiman a partir da temática “Escolha profissional: sonhe, projete e faça acontecer”, cuja tônica foi incentivar os meninos a ‘escreverem com mão própria a existência’. “Temos que nos desafiar a acabar com os pré-conceitos para criarmos novos conceitos, nos libertar de falsas verdades. Não existe nada no nosso cérebro que determine que uma profissão é feminina ou masculina, por exemplo”, esclareceu.

Fraiman falou ainda sobre o que de fato importa na construção de uma carreira: “Temos que buscar riqueza de orgulho, trabalhar corretamente, dormir em paz, respeitar a nossa própria natureza; se isso não acontecer, você acaba se tornando um adulterado e não um adulto”. Segundo ele, uma das grandes questões que perturbam refere-se à questão das certezas que têm que ser relativizadas. “O que é estável no mundo, afinal? “Até 2030, 60% das ocupações que existirão nem foram criadas ainda”.

O Stand Up Comedy “Verdades inconvenientes – o lado bem-humorado das coisas sérias”, com o dramaturgo e humorista Daniel Salsa, superou a expectativa dos alunos que encheram o Salão Nobre. De um jeito divertido, Daniel brincou com a questão das regras, indagando “Quem gosta de regras?”, porém alertou que a liberdade só pode ser obtida com a somatória do poder de agir com o senso de responsabilidade.

Falou ainda sobre as verdades inconvenientes – tabuada do 7, pretérito mais que perfeito e até a morte -, sobre princípios, valores e sobre a importância de assumir as responsabilidades (“Se der certo ou errado, é comigo!”).

Outra palestra que agradou ao público foi “Medicina”, com o Doutor Weverton Ferreira Leite. O primeiro aspecto inusitado foi a abordagem do aspecto financeiro: ‘A carreira de medicina é um sonho. Não desista desse sonho, independentemente da questão financeira. Você pode cursar uma universidade pública ou particular, mas vá em frente”.

O Doutor Weverton também discorreu sobre a quantidade de tempo – muito acima da média das outras carreiras – que a formação requer, incluindo a exigência da grade curricular em tempo integral e o exame do CREMESP – Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo -, tratou da exigência de estudo permanente, da rotina puxada. Porém, mencionou as contrapartidas: carreira de longa duração – há médicos que atendem nos consultórios com 90 anos de idade -, a diversidade do campo de atuação (consultórios, hospitais e clínicas, área administrativa, ensino e pesquisa etc.) e a satisfação do profissional em ajudar na luta entre a vida e a morte.

Em “Escolha profissional – que curso prestar no vestibular?”, Thiago Tamborini abordou as escolhas sob o ponto de vista da psicologia. “O cuidado que temos que ter é fazer da nossa escolha o melhor, fazer bem feito. Muito cuidado com a ideia de mercado de trabalho, vivemos em um contexto de mudanças e muitos de vocês terão que, ao longo da trajetória profissional, refazer as escolhas, se reinventar, estudar novas coisas”, afirmou.

A utilidade do conhecimento também ganhou uma roupagem inusitada. “Ainda que você utilize o conhecimento de uma matéria em específico uma única vez e isso te faça entrar na faculdade que escolheu, já valeu”, acrescentou.

O jovem empreendedor Mark Kirst, fundador do Instituto Prove – plataforma que trabalha com liderança e orientação vocacional para jovens -, falou sobre escolher a carreira com um propósito, focando no protagonismo juvenil, um dos pilares Maristas. Falou sobre seus medos e sobre suas inquietações: “O meu maior medo era morrer sem ter vivido, era passar a vida reclamando. Então, o meu maior medo virou a minha maior busca”, disse.

Contou sobre sua experiência no Ensino Médio, sobre o desafio de passar no vestibular (no curso de Administração da UFSCar), sobre o que é possível de se aproveitar na faculdade (segundo ele, ‘uma oportunidade incrível de verdade apenas para 1% dos estudantes’), sobre a necessidade de atribuir um sentido à vida que vai muito além da simples sobrevivência.

Um dos pontos altos da palestra foi a experiência de Mark no World Merit, programa que seleciona um jovem socialmente engajado, representando a Geração Y, para conhecer 22 países a fim de identificar problemas do mundo contemporâneo. Ele ficou em 2° lugar entre 50 mil candidatos. Com repertório e gana, ele deu dicas importantes aos participantes do Fórum: “Coloque sua voz para fora. Quando ouvir um não, você pode ser teimoso”, acredita.

Durante toda a manhã, houve oficinas práticas, plantão de dúvidas das profissões, e variadas palestras.