Inquietações no Vale do Ribeira

Inquietações no Vale do Ribeira

Colégio Ítaca

09 Setembro 2015 | 18h44

O trabalho de campo e a aprendizagem significativa

De 24 a 28 de agosto, o 1º ano do Ensino Médio foi a campo estudar a região do Vale do Ribeira (SP). No roteiro, a visita a uma mina de extração de minério e produção de fertilizantes; vivências em um quilombo da região e no Bairro da Serra; visitas a cavernas do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) e à Caverna do Diabo; pesquisas na Reserva Ecológica Betary; deslumbramentos; percepções de diferentes realidades e olhares críticos, permeados ou não por lentes de câmeras… Além de muita diversão e risadaria, é claro!

Esse trabalho de campo representa um momento em que os adolescentes podem enfrentar mais efetivamente um cotidiano diferente, com reflexões mais fundamentadas e profundas sobre esse cotidiano das gentes, da natureza, das ocupações, em um Brasil tão diverso. Estabelecendo pontes entre a sua e estas (novas) realidades, é possível tomar consciência de um mundo em comum muito complexo, com particularidades e semelhanças e com conexões que só um mergulho nas realidades locais permite perceber.

Mas isso não seria possível – nem tão rico – se não houvesse toda uma preparação anterior, com pesquisas e discussões pré-campo e também um produto final, chamando os alunos a partilharem o que experienciaram e contemplaram. O estudado em aula, mais as experiências do campo e os contrastes com as próprias vivências e história de cada aluno são a matéria-prima para esse produto posterior, iniciado na viagem e concluído no colégio: “Incômodos”.

Envolvendo Geografia, Biologia, Química, História, Língua Portuguesa, Sociologia, História da Arte e Educação Física, tal trabalho tem como ponto de partida o levantamento de questões pelos grupos de alunos, a partir de três fotografias tiradas por eles mesmos, selecionadas das muitas produzidas durante a viagem. A partir das inquietações trazidas do campo, desenvolve-se um fórum de debates com todo o Ensino Médio (mas conduzido pelo 1ºEM), com o  objetivo de ir além da viagem e de ser mero espectador, para se buscarem entendimentos e até se protagonizarem propostas de intervenção para o que produziu incômodos.

Conheçam as fotos e os questionamentos que servirão de suporte para o IV Fórum Ítaca: Vale do Ribeira, nos próximos dias.

 

1 – Isabella, Ananda, Maria Fernanda, Rafael

11938844_870379589707174_454498458_n11944705_870379636373836_595754434_n11923037_1022327671131434_154217310_n

NATUREZA: progresso ou regresso?

 

2 – Gustavo S., Zé Marco, M. Vitória, Júlia

IMG_9161IMG_9165IMG_9150 (2)

Até que ponto a interação entre quilombo e sociedade moderna é benéfica? E para quem?

 

3 – Laura, Matheus, Isabella P., Luiza B.

11925947_1216892481670433_832611294_n11949765_1216890148337333_3579228_n11989398_1216890181670663_340087930_o

Guardar, usar ou produzir para sobreviver?

 

4 – Luã, Pedro B., Fernando, André O.

quilombo bananavalecaverna do diabo

É possível alcançar o desenvolvimento sustentável sem afetar o meio ambiente?

 

5 – Helena, Flávio, Marcelo, Lucas

 

HELENAMARCELOPIRAO (1)

Qual o limite da conciliação entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental?

 

6 – Fred, Gabriel, Yasmin, Aline

11923298_904582032910924_2005329388_n11939104_904582022910925_1664283462_n11668024_904582029577591_736826650_n

 

 

7 – Enzo, Giovanna, Arthur B. e Gustavo A.

paisagemquilombo certomina

Há necessidade de degradar a fauna e a flora para que o desenvolvimento humano ocorra?

 

Texto: Arthur de Medeiros (Geografia EM) e Maurício de Carvalho (Geografia EM)