Há trinta anos nascia o Colégio FAAP

Há trinta anos nascia o Colégio FAAP

Colégio FAAP

09 Março 2018 | 15h22

Procurado pelo Professor Lauro Gurgel Ramalho filho, então diretor da Faculdade de Administração da FAAP, no segundo semestre de 1987, fui indagado sobre minha disposição em abrir um colégio em nossa instituição. Dentre as muitas razões que nos levaram a tal empreendimento, me decidi pelo desafio de ajudar a formar, para a universidade, alunos capazes de superar o choque cultural que vitimava legiões de calouros.

Enquanto chefe de departamento e professor da Faculdade de Administração da FAAP, havia me debruçado, detidamente, sobre as causas da alta reprovação e da evasão desses alunos no noviciado acadêmico: chamava a atenção o fato de que era grande o número oriundo de colégios que considerávamos bons.

Então, o que causaria tais desajustes que tornavam a passagem para o ensino superior tão traumática?

A constatação desses fatores nos levou a crer que um colégio universitário poderia ajudar os calouros na superação dessas barreiras detectadas.

Desde sempre, o Colégio FAAP foi e é o único a viver física e culturalmente integrado num ambiente universitário, condição que anula o choque cultural provocado pela transição entre o ensino médio e a universidade. Se, no início, havia receios por parte das famílias e um certo ressentimento por parte dos universitários, a convivência criou uma sinergia que oxigenou a comunidade estudantil como um todo.

No mesmo sentido, constatamos que parte substancial do fracasso dos calouros era provocado pela imaturidade na escolha da carreira, ou seja, pela precariedade da orientação vocacional oferecida nos colégios. Dentro de uma comunidade acadêmica que reúne um largo espectro de profissionais, nada mais fácil do que colocar o adolescente em contato direto não apenas com profissionais, mas com o curso pretendido, quer em palestras de orientação, quer “degustando” aulas nos cursos pretendidos.

Podendo participar das palestras ofertadas pelas faculdades, podendo cursar oficinas e programas de curta duração nas mais diversas áreas, nosso aluno aproveita com muito mais vigor e realidade nosso Programa de Orientação Vocacional que, desde a primeira série, encara essa tão desafiadora tarefa de orientar um adolescente a escolher seu caminho para o resto de sua vida.

Olhando as três décadas que nos separam daquele início pioneiro, quero deixar minha gratidão à Fundação Armando Alvares Penteado, que me permitiu enfrentar tão instigante desafio, bem como a tantos que fizeram  e fazem esta jornada uma oficina produtora de jovens realizados e, neste caso, destaco nossa Orientadora a Professora Marinez Felix Brochi Rafaldini, educadora cujo exemplo de dedicação, sensibilidade e atualidade marcou as gerações que tiveram a felicidade de por ela passar.

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

 

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br