As aulas e o futebol: semelhanças

As aulas e o futebol: semelhanças

Colégio FAAP

07 Fevereiro 2017 | 09h55

As metáforas sempre foram um recurso didático de grande valia na educação. Assim, recorremos ao futebol, traço importante de nossa cultura pátria para lembrar às famílias alguns cuidados importantes neste período de “recomeço de campeonatos escolares”.

Um bom começo é fator de êxito na maioria das atividades humanas. E, na dureza natural do retorno às aulas, isso se aplica com muita validade: não basta que os alunos estejam munidos do material necessário; não é suficiente que todos os envolvidos se conscientizem das suas obrigações e das novas condições de trabalho. É essencial cuidar de algo que antecede a tudo, a preparação física para a prática escolar.

O retorno às aulas pressupõe um retorno ao disciplinamento físico, aos novos horários, às novas necessidades alimentares, enfim, ao regramento de vida indispensável para se ter condições físicas de bem desempenhar “ o esporte da educação”. Pode parecer preocupação óbvia dos mais velhos ( e chatos…), mas a grande incidência de faltas às primeiras aulas, de alunos cambaleando de sono e de pequenos problemas físicos nos reinícios , demonstram a validade destes lembretes. No mesmo sentido, não são incomuns os fracassos escolares, nas primeiras etapas do ano letivo, decorrentes da desatenção familiar no que se refere a esse retomar disciplinado da vida escolar.  Lamentavelmente, não é raro ouvirmos alunos afirmarem que perdem a hora, pois os pais continuam em fuso horário de lazer… Quando o exemplo de cima aponta para o sentido equivocado, os resultados serão precários nos mais jovens.

Quadra - Colégio FAAP

Ainda no campo futebolístico-escolar, lembramos a afirmação que diz que “o jogador está em condições físicas, mas sem ritmo de jogo”: não basta que o físico tenha se “recuperado das férias”, é indispensável que as rotinas de estudo sejam recompostas, que horários sejam estabelecidos, que a administração das agendas dos alunos sejam adequadas e respeitadas no contexto da vida familiar. Nunca é demais lembrar o cuidado que as famílias devem ter em evitar produzir agendas absurdas para seus filhos. É muito comum e pernicioso para qualquer jovem – o que não falar para crianças – terem obrigações de executivos alucinados que, com o objetivo de dar uma educação completa, criam angústia e improdutividade.

Assim como com os grandes atletas, nossos jovens desportistas devem ser cuidados em todos os pormenores para que tenham, senão prodigiosos desempenhos, uma vida escolar promissora e, sobretudo, sem amargar evitáveis fracassos.

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP.
Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br