A escolha de uma nova escola: encruzilhada vital

A escolha de uma nova escola: encruzilhada vital

Colégio FAAP

29 Setembro 2017 | 16h46

Várias são as razões pelas quais as famílias começam, nesta época, a buscarem novas escolas para os seus filhos, mas, sempre, cabe ao educador a responsabilidade de orientá-las em tão delicada decisão. Uma escolha equivocada pode comprometer, seriamente, pois as marcas de uma vida escolar são para sempre.

Existem dois critérios que, mesmo importantes, não devem ser priorizados na escolha de uma nova escola: o preço e a imagem da instituição. Numa mesma faixa de preço, muitas são as instituições oferecendo serviços diferentes. Como qualquer produto, modismos podem mascarar ou distorcer a verdadeira essência do serviço oferecido.

Uma vez determinadas as possibilidades econômicas da família (considerando proximidade, material escolar e os excedentes que, normalmente, não são explicitados na matrícula), cabe a tarefa mais importante, verificar a coincidência das propostas pedagógicas da nova escola com os valores morais, éticos e culturais da família. Sendo a escola um importante complemento da educação familiar, dissonâncias e, sobretudo, contradições (principalmente no ensino fundamental), geram condições altamente destrutivas na criação de um clima propício ao estudo e à formação do educando.

Verificar os princípios e práticas pedagógicos oferecidos por uma escola é tarefa que demanda cuidado e que tentaremos fornecer, aqui e em outros blogs, sugestões de roteiros.

Em primeiro lugar, devemos tomar conhecimento do material de divulgação da escola em todas as mídias no sentido de se analisar a coerência de suas propostas e o que o “pacote educacional” oferece como um todo. Contradições, omissões e propostas dissonantes com os desígnios da família já são indicações para se procurar outras opções.

Indicações de conhecidos, muitas vezes decisivas quando de amigos dos filhos, devem ser ponderadas com muito cuidado, sobretudo na adolescência, “o espírito de tribo” faz com que uma ação grupal possa levar a enganos. Nem sempre as razões que levam uma família a mudar de escola são coincidentes com as demais do grupo.

Assim, instados pelo filho a seguir o grupo, pesquisem junto às famílias dos amigos quais critérios foram determinantes para a escolha da nova escola e, sobretudo, se os valores e objetivos dessas famílias se coadunam com os seus.

Estes primeiros passos já ajudam na diminuição do espectro da escolha. Retorno, logo mais com algumas sugestões para o enfrentamento desse desafio.

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP.
Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br