A Educação Física: muito além das quadras

A Educação Física: muito além das quadras

Colégio FAAP

24 Novembro 2017 | 19h08

Hoje abordaremos a Educação Física na perspectiva da promoção da saúde e autonomia para uma vida fisicamente ativa – outro dos objetivos que desenvolvemos como conteúdo programático no Colégio FAAP.

O resultado do não conhecimento e do abandono do próprio corpo pode levar a vários problemas crônico-degenerativos com impactos significativos na sociedade, principalmente, entre os mais jovens. Os centros de pesquisas, associados a essas questões, apontam a necessidade da escola formar o cidadão com conhecimento sobre o corpo, a saúde desse corpo, hábitos e comportamentos ao longo da vida.

Durante o ensino médio devemos enfrentar esses temas em paralelo a todas as atividades de educação esportiva, o que as complementa e consolida e, evidentemente, em apoio às disciplinas da área de saúde.

Na primeira série, abordamos o sistema muscular e suas estruturas, estudando sobrecarga, o volume e a intensidade de treinamento e correlacionando-os às características físicas da adolescência; o estilo de vida sedentário e suas consequências para a vida adulta; a pirâmide alimentar brasileira e uma alimentação saudável. Todos os assuntos são de absoluta pertinência e atualidade nessa fase etária e nos dias atuais.

Na segunda série, abordamos os sistemas do corpo e os impactos positivos da atividade física; a interação dos sistemas, o que é atividade aeróbia e anaeróbia; mitos e evidências na atividade física e no esporte; introdução à metodologia do treinamento físico, controle da frequência cardíaca durante o esforço. Nesta fase,  encontramos barreiras de resistência criadas pelas pressões mercantilistas e midiáticas que trabalham pela construção artificial da beleza física.

Na terceira série, superados os mitos e a falsa ciência, buscamos o aprofundamento na metodologia do treinamento físico; a relação de volume e intensidade do esforço físico; suplementação alimentar e anabolizantes, musculação e corrida; riscos e benefícios da atividade física na fase de crescimento; transtornos alimentares, como, bulimia, anorexia, vigorexia, entre outros.

Certamente, se a Educação Física conseguir – ao longo do ensino médio – contribuir para a aquisição de tais conhecimentos, teremos cidadãos conscientes com uma vida física ativa e autônoma, contribuindo para uma sociedade mais saudável com todas as suas decorrências positivas.

 

Gilberto Coelho é professor de Educação Física do Colégio FAAP/SP