É proibido proibir 

É proibido proibir 

Colégio Bandeirantes

17 Fevereiro 2016 | 14h04

Por Hubert Alquéres

Setenta anos após a sua morte, o fantasma de Adolf Hitler volta à baila. Seu livro – “Minha Luta” (Mein Kampf) – caiu em domínio público e é estopim de debates acalorados em vários países. Por aqui, foi pego na rede da censura judicial, no Estado do Rio.

blog estadao biblioteca

No Bandeirantes a livre circulação de ideias é um valor fundamental, com o qual o Colégio selou um compromisso definitivo. Assim ocorreu no ano passado quando o jornal “Charles Hebdo” foi alvo de atentado terrorista: para que seus alunos e professores soubessem do que tratava, o Band adquiriu e disponibilizou exemplares do semanário. Nos anos 80, com o fim do regime militar, não foi diferente. Vários filmes até então proibidos pela censura foram exibidos e discutidos com os alunos. Alguns exemplos: “A Laranja Mecânica” de Kubrick, “Z” de Costa-Gavra ou os filmes de Pasolini. Até o polêmico “Je vous salue, Marie” do mestre Jean-Luc Godard foi debatido com os alunos do Bandeirantes.

A polêmica do “Mein Kampft” acontece quando se questiona se é correto, ou não, publicar o manifesto nazista; se isto não disseminaria as ideias de ódio, racismo, de uma “ideologia universal” (Weltanschauung) e do “espaço vital” (Lebensraum), que pretenderam ser embasamentos teóricos para justificar o extermínio de milhões e milhões de judeus, homossexuais, ciganos, pessoas com deficiência, eslavos e outros povos tidos como inferiores pela concepção totalitária do nazismo.

O caminho da proibição, da censura, é absurdo. Nunca deu certo em época alguma, em lugar algum do mundo. Quem a ele se contrapõe argumenta, com razão, que a melhor maneira de combater as ideias pregadas por Hitler é debatê-las. Assim pensa a ministra da Educação da Alemanha, Johanna Wanka, que recomendou os estudos do “Mein Kampf” nas escolas.

Queiramos ou não, Hitler é história, seu manifesto também. As ideias contidas em seu panfleto estão descritas em várias obras e o “Minha Luta” está disponível na internet, podendo ser acessado por qualquer um.

Ora, se somos contra a censura e se já há esse acesso na web, como enfrentar as ideias malignas do nazismo sem se estabelecer o confronto pela via do debate?

O mais saudável é a publicação do livro de Hitler, preferencialmente acompanhado por esclarecimentos sobre a barbárie em que resultou o ideário nazista. Importa trazer o “Minha Luta” à luz do dia, como pretende fazer a editora Geração com uma edição que irá trazer o texto original do manifesto hitlerista acompanhado de mais de 300 comentários.

Isto não nada tem a ver com incitação ao ódio, como, infelizmente, entendeu um juiz do Rio de Janeiro ao proibir a publicação do livro.

O debate sobre publicar ou não a obra de Hitler também remete a outra discussão, tão ou mais importante, pertinentemente abordada pelo professor da Unicamp Leandro Karnal: “O problema é decidir, algo que era discutido por Benjamin Franklin no século XVIII, quem

seria a pessoa capaz de selecionar o que o mundo deve ler. Quem seria o ser acima dos dramas humanos e mesquinharias da nossa espécie?”

Por aí se retrocede aos tempos do censor, “o legislador de preconceitos, defensor da baixeza e da mediocridade, ou melhor, da vulgaridade”, para citar a brilhante descrição de Orson Welles, em um artigo de 1952.

A humanidade já enfrentou esse dilema em muitos momentos de sua história. Na Idade Média o saber, o monopólio da leitura, estava nos mosteiros, como descreveu Humberto Eco em “O Nome da Rosa”.

Nos Estados Unidos deste século XXI, pasme-se, um grupo de estudantes universitários reivindica que determinados livros da literatura, clássicos que constam dos programas curriculares, tenham uma advertência na capa, por representar “perigo” para o “bem estar moral”.

Um desses livros perigosos, “Metamorfoses”, do poeta Ovídio, foi publicado em latim no ano 8 D.C.. Ovídio era contemporâneo de Horácio, Virgílio e do imperador Augusto.

Os tutores do que deve ou não ser lido estão em toda parte. Aqui no Brasil, recentemente, Monteiro Lobato quase foi esvurmado do currículo escolar porque alguns “educadores” esquerdopatas entendiam que sua obra estimulava o racismo.

Quanto ao espectro de Hitler, ainda que seja pouquíssimo provável que nos dias de hoje seu ideário totalitário empolgue a maioria de um povo, o melhor é conhecê-lo e não escondê-lo.

Mas o que está mesmo em jogo é um valor do qual não se pode abrir mão: o livre circular das ideias.

Que o “Mein Kampf” seja publicado, debatido. E seu ideário, combatido.

__________________________________________________________

Hubert Alquéres é diretor no Colégio Bandeirantes, membro do Conselho Estadual de Educação (SP) e vice-presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL). Lecionou na Escola Politécnica da USP, no Bandeirantes e na Escola de Engenharia Mauá. Foi secretário-adjunto de Educação do Governo do Estado de São Paulo (1995-2002) e presidente da Imprensa Oficial do Estado (2003-2011).