Aos mestres, com carinho

Aos mestres, com carinho

Colégio Anglo 21

20 Abril 2017 | 15h16

Dia do professor

*Por Philippe Spitaleri Kaufmann (PH)

Vamos à escola para aprender. De acordo com uma interpretação simples e superficial, essa frase é automaticamente verdadeira, porém, pode ser levada à uma reflexão mais profunda:  O que significa aprender? Por quais processos cognitivos passam o aprendizado? Como a aprendizagem pode ocorrer de maneira mais efetiva?

Nenhuma das perguntas apresentadas é simples de ser respondida, no entanto, como professor, vejo que o aprendizado depende muito da relação aluno-mestre e do fortalecimento desse vínculo. O aprendizado desenvolve elementos racionais e emotivos, de modo que o cultivo das boas relações entre as partes envolvidas não podem nunca serem menosprezadas.

Nesse tempo de docência, passei a acreditar que a melhora nos níveis de aprendizado e também no interesse dos alunos pelos conteúdos educacionais passa, necessariamente, pelo resgate da estima da figura do professor. E pensar na importância disso me faz refletir sobre a minha própria trajetória.

A primeira influência que tive na área de Química, recebi de uma professora do colégio quando estava no Ensino Médio. Aulas teóricas e de laboratório – extremamente interessantes – despertaram o meu primeiro interesse pela área, o qual só aumentou com o passar dos anos.

Ao ingressar na docência, mal sabia segurar um giz ou me colocar diante de uma sala. Encontrei, então, em meu caminho um notável professor de Física que muito me ensinou sobre a prática das aulas expositivas para esse público.

Você pode pensar que essa trajetória que estou contando é muito particular, mas, se parar para pensar, verá que não é. Qualquer que seja a carreira escolhida, o caminho da evolução profissional passa pelo aprendizado com pessoas mais experientes, ou seja, professores que embora não formais, estão sempre nos ensinando sobre algo. Nossos pais são nossos primeiros professores.

O estreitamento do vínculo entre alunos e professores passa por uma melhora nas relações de convívio na escola. O professor deve se preocupar com a qualidade de seu vínculo com o aluno e também com a relação entre os próprios alunos.

No Colégio Anglo 21 atuo junto ao nono ano como professor das disciplinas de Química e de Convivência Ética. A disciplina de Convivência Ética traz oportunidades para a reflexão sobre práticas dos próprios professores. Em paralelo à essa disciplina, desenvolvemos no colégio Anglo o “Projeto 21”.

O Projeto 21 consiste fundamentalmente de um grupo de estudo formado por professores de diversos segmentos à fim de desenvolver planos de aulas mais eficientes e diferentes das tradicionais aulas expositivas. Sempre com a finalidade de aumentar o engajamento dos alunos nas disciplinas.

Nessas disciplinas trabalhamos atividades de autoconhecimento, conhecimento do outro, técnicas de escuta ativa, assim como serão realizadas assembleias para a discussão e a resolução de problemas que envolvem o convívio dos alunos e a vivência deles na escola.

Como exemplo prático realizado em minhas disciplinas, desenvolvemos no ano passado uma atividade que ensinasse os alunos a Tabela Periódica. Em suas salas, construíram Tabelas Periódicas baseadas em elementos que aparecem somente na ficção, como nos filmes e quadrinhos, estabelecendo critérios de comparação e classificação, possibilitando assim uma maior compreensão do esforço de Dmitri Mendeleiev, cientista russo organizador da primeira Tabela Periódica dos Elementos. A contribuição de Mendeleiev na organização da tabela foi tamanha que ele foi capaz de prever as propriedades de elementos químicos que somente foram descobertos posteriormente.

Com diferentes abordagens, procuramos sempre valorizar métodos investigativos, de maneira que os alunos se apropriem não somente dos conteúdos conceituais relacionados à disciplina, mas também que aprendam métodos procedimentais e atitudinais.

O ato de ensinar e educar é continuo e exige esforços grandes do professor que sempre procura se aperfeiçoar nos conteúdos teóricos e práticos, sem ainda descuidar da relação afetiva com seu educando.

A todos que nos ensinam, sentimos um certo carinho especial.

0 Comentários