Bullying: a brincadeira que não tem graça!

Bullying: a brincadeira que não tem graça!

caroline ropero

17 Setembro 2015 | 17h11

Bullying é uma das formas de violência que vem crescendo a cada ano e pode ocorrer em qualquer contexto social, seja na escola, no ambiente familiar, no convívio entre amigos ou no trabalho. Especificamente nas instituições de ensino, a parceria com a família é fundamental para combater essa violência moral, tanto para orientar os filhos quanto para saber como lidar com a situação.

Com o intuito de informar e promover um ambiente seguro e saudável para seus alunos, o colégio realiza todos os anos a Semana Ábaco de Prevenção ao Bullying, com aulas e atividades diárias baseadas no tema e palestras para alunos, pais e responsáveis.

9452

Segundo o diretor Rodolfo Saad, esse tipo de violência é um assunto recorrente, mas muitas vezes não é compreendido pela sociedade. “A escola não tolera nenhum tipo de discriminação. Por isso, estabelecemos uma aula por dia durante essa semana temática para que os professores trabalhem em classe discussões, textos e debates conscientizando os alunos sobre o bullying e a importância de aceitar o outro como ele é.”

Neste ano, o evento recebeu a advogada Patrícia Peck Pinheiro, especialista em ética e segurança digital, que falou sobre Cyberbullying: Os Limites da Liberdade Digital e Suas Consequências. A advogada explicou que o celular pode virar uma arma na mão do jovem se não for usado da maneira correta. Entre os principais perigos são as ‘brincadeiras’ que provocam a violência psicológica, como o uso de palavras pejorativas e ridicularizantes.

10440283_831674270236961_713917490046068305_n

Apesar da maioria dos alunos não praticar o bullying, muitos são espectadores, que presenciam e não interferem com medo de sofrer represálias e ameaças. Segundo uma pesquisa da ONG Plan Brasil, 70% dos estudantes afirmaram já presenciar agressões contra os colegas e 30% participaram.

Outro dado alarmante, da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), mostra que um a cada três alunos entre 13 e 15 anos em todo o mundo são regularmente vítimas de bullying na escola. Esses jovens estão suscetíveis a consequências devastadoras que podem causar dificuldades acadêmicas, sociais e emocionais.

10986676_831929436878111_7365080756732600947_n

O Ábaco acredita que as estatísticas podem mudar no ambiente escolar com a implantação de projetos educativos diferenciados e a integração entre família, aluno e escola. Para que isso aconteça, é importante que cada um faça sua parte e colabore com o desenvolvimento saudável e seguro de nossas crianças e jovens.

Mais conteúdo sobre:

Ábacobullyingeducaçãoescola