O que observar sobre o ensino de inglês na hora de escolher a escola dos filhos

Nathalia

19 Outubro 2017 | 14h58

Aprender um segundo idioma já deixou há muito tempo de ser algo opcional e se tornou quase obrigatório quando pensamos no futuro, no longo prazo. Diante disso, vemos pais que se preocupam cada vez mais em propiciar às crianças e adolescentes um ensino de inglês desde cedo e com qualidade comprovada. E, para isso, já encontram hoje em dia escolas regulares que encaram a disciplina como estratégica dentro dos seus currículos, afastando a necessidade de um curso extracurricular, por exemplo. E, para facilitar a escolha, há algumas questões fundamentais que é preciso observar no momento da escolha da instituição.

Aprender outro idioma não é “decoreba”. Isso significa se familiarizar com toda uma cultura estrangeira, o que vai muito além de apenas falar, ler ou escrever enquanto atos isolados. Quando os ensinamentos são traduzidos para contextos eles são melhor absorvidos do que quando são apenas apresentados em um material didático, já que a memorização é mais natural. Cheque se a metodologia utilizada pelo colégio é prática e se os professores estão capacitados para transmitir o conhecimento de uma forma integrada ao dia-a-dia dos alunos, incluindo-os em situações cotidianas.

Assistir a uma “aula teste” antes da matricula efetiva pode ser uma ótima opção para compreender tudo isso. Busque observar o modo como o docente organiza o tempo em sala de aula, se cobra participação dos alunos ou os deixa muito soltos e dispersos, se contextualiza a aula da forma certa e explica em quais situações tais palavras de encaixam melhor.

Se o objetivo dos pais é não apenas o aprendizado, mas também que ele traga oportunidades mais tarde, como em um intercâmbio ou nos estudos no exterior, também é importante atentar-se ao modo como a escola mensura todo o processo do aprendizado. São utilizadas apenas avaliações internas? Ou os alunos têm contato com exames internacionais de proficiência adequados para cada nível? São essas certificações que são exigidas para processos de admissão fora do País e quando aplicadas desde o início dos estudos trazem uma série de benefícios: aos alunos, que ficam em vantagem ao concluir o período escolar já de posse do documento que muitos só alcançam já na vida adulta; e aos pais, que tendem a confiar mais no investimento feito, uma vez que essas provas seguem padrões linguísticos internacionais.

Cheque os níveis de desempenho dos atuais alunos e também se os professores são certificados. Essa é mais uma demonstração de que os educadores que estarão em contato com seus filhos e filhas são devidamente capacitados não apenas na língua, mas também em metodologias atuais.

Conhecer bem o histórico da escola em que se pretende realizar a matrícula é outro principal fator na hora de decisão. Além de estudar a metodologia utilizada e o cuidado com a capacitação dos seus docentes, lembre-se de conferir a tradição da instituição, sua filosofia pedagógica, as instalações e a rotatividade profissionais.

A combinação positiva desses fatores tendem a fazer do aprendizado de um novo idioma algo leve, prazeroso e para toda vida. Se formos assertivos no início, nossos filhos e filhas nos agradecerão lá na frente!