Como ajudar as crianças com a adaptação escolar?

Como ajudar as crianças com a adaptação escolar?

Escola Santi

24 Janeiro 2018 | 16h11

Escola Santi realiza trabalho especial de orientação para as famílias nessa fase. Confira dicas para facilitar esse processo.

 

O início da vida escolar é uma experiência desafiante para as crianças. Novo espaço, novas pessoas, novas regras, novas rotinas e um momento de ficar longe dos pais por uma boa parte do dia. É sem dúvida um tempo de fortes emoções, de descobertas do novo. E por isso, um tempo de inseguranças e
incertezas trazidas pelo desconhecido.

Cabe à escola, em parceria com a família, realizar um trabalho que facilite a entrada das crianças nesse novo mundo. Nova escola, sala de aula, novos colegas, professores, ambiente diferente, tudo isso implica em grandes mudanças e exige esforço de adaptação. Apresentamos a seguir algumas orientações importantes para que todos entendam o que acontece nesse período e saibam como ajudar as crianças nesse momento.

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO

No período de adaptação, incentivamos as crianças a conhecer o espaço da escola com segurança e autonomia. É importante deixar que elas transitem pelos diferentes espaços e explorem os ambientes existentes: areia, salas de aula, brinquedos, pátios. Sempre na companhia de um educador, para que possam, aos poucos, adquirir familiaridade e segurança com o ambiente escolar.

O PAPEL DOS EDUCADORES

A familiarização com os educadores é fundamental para que cada criança crie afinidade com eles e, principalmente, sinta segurança para permanecer na escola. Assim, é importante que as crianças percebam que, enquanto estiverem na escola, suas solicitações e necessidades devem ser atendidas pelos educadores. No decorrer desse período, quando houver qualquer solicitação da criança, na
presença de pai, mãe ou acompanhante, é importante que transfiram esta responsabilidade à escola, sugerindo _a criança que sempre solicite ao educador o que for preciso, de modo a transmitir às crianças a confiança nos educadores.

É muito comum que, no período inicial, os pequenos peçam ajuda aos pais ou acompanhantes para levá-los ao banheiro, para acompanhá-los em uma ou outra atividade ou mesmo na preparação do lanche. Nesses casos, uma afirmação do tipo “fale com sua professora, ela vai lhe ajudar”, facilita muito a adaptação e a construção deste vínculo tão essencial. A segurança e a confiança mostrada por pais e acompanhantes são facilmente percebidas pelas crianças e isto é fundamental para que se sintam tranquilas e seguras na escola.

CONVERSAS SOBRE A ESCOLA

As famílias podem e devem conversar com os filhos sobre a nova escola, contando-lhes inicialmente sobre a professora, outras crianças e as propostas que acontecerão durante os primeiros dias. Ao iniciar a adaptação as conversas devem permanecer, falem sobre os eventos vividos pela classe naquele dia, as histórias ouvidas, retome os nomes dos amigos, etc.

A ROTINA

As atividades propostas às crianças nesse período de adaptação têm como objetivo mostrar a rotina da escola, bem como, as novidades que ela oferece: brinquedos, brincadeiras, outras crianças, pessoas diferentes daquelas que estão acostumadas, momentos em grupo para lanchar, pintar, ouvir histórias,
desenhar, conversar e se cuidar. Desde o primeiro dia, elas participam de algumas dessas situações. Muitas atividades são organizadas em conjunto pela professora e por todas as crianças para que se sintam mais envolvidas e integradas ao dia-a-dia da escola.

O TEMPO

Cada criança tem o seu ritmo próprio e sua forma peculiar de adaptar-se. Portanto, nesse período, as orientações são individualizadas, contemplando uma diversidade de decisões e horários. A professora e a coordenadora estão atentas e prontas para apoiar e orientar sempre que necessário. As atividades propostas nesses dias simulam o cotidiano escolar, em doses proporcionais ao momento que as crianças estão vivendo. Por isso, temos horários específicos para os três primeiros dias. Depois deste período, o tempo de permanência na escola vai aumentando aos poucos, até que a criança se adapte e consiga permanecer pelo período completo (das 8h às 12h ou das 13h às 17h).

Mesmo que a criança esteja bem adaptada e já se sinta à vontade na escola, o horário reduzido no início é importante para que tenha o desejo de voltar a cada dia e aprender coisas novas.

ALGUMAS DICAS

Para as famílias, esse também é um momento de adaptação. É natural que se sintam ansiosas com todas as novidades que as crianças vão se deparar e com a expectativa em relação à separação. Por isso, aqui na Escola Santi, da mesma forma que cuidamos “dos pequenos”, estamos com nossa atenção voltada aos pais.

Para dar mais segurança à criança solicitamos que pais, mães ou uma pessoa querida esteja presente na primeira semana de adaptação, no horário proposto para esse período. É preferível que a pessoa seja a mesma em todo o processo: do primeiro dia até o momento em que a criança aceitar ficar na escola, sem o acompanhamento de uma pessoa familiar. A experiência de muitos anos no processo de adaptação com alunos na Educação Infantil nos mostra que a troca eventual do acompanhante, traz inconvenientes que, muitas vezes, provocam reinício ou prolongamento desse período.

Para o bom desenvolvimento do processo de adaptação, pais e acompanhantes receberão orientações dos educadores referentes aos momentos oportunos de aproximação e distanciamento. Por exemplo, não é conveniente para a criança que permaneçam dentro da sala de aula conversando, brincando ou
segurando-a no colo. Tais atitudes acabam por interferir no bom andamento do processo.

No momento de deixar a criança na escola ou na sala de aula, a despedida deve ser breve e segura, de forma a transmitir a certeza de que estará por perto e sempre à disposição. Os combinados que fizer com os seus filhos, referentes ao período de adaptação, devem ser comunicados às professoras na frente da criança; nunca deixe de cumpri-los, sobretudo porque a professora será sua “avalista” e pode ficar desacreditada pela criança.

Para apoiar a adaptação, a criança pode trazer, dentro da mochila ou da lancheira, alguns objetos seus (chupeta, cobertor, boneco, etc.). Lembramos que cada um desses objetos deve estar marcado com o seu nome completo. Sugerimos que a organização da lancheira e dos pertences que irá trazer para a escola seja feita junto com o aluno.

Cabe aqui colocar que é bastante comum mudança de humor e comportamento durante o período de adaptação. Algumas crianças podem chorar mais do que normalmente o fazem quando estão em casa, solicitar maior atenção, apresentar dificuldade e resistência em adormecer, alterar o apetite ou demonstrar uma maior irritabilidade diante de algum posicionamento de seus pais. E tudo isso, acreditem, faz parte deste processo pelo qual estarão passando. É fundamental que os pais mantenham-se seguros e tranquilos, pois estas manifestações são passageiras.

Confira mais dicas para a adaptação dadas pela nossa Coordenadora do T2 ao 3º ano, Dami Cunha: