Tesouros… meus, seus, nossos: conhecer e cuidar para preservar

Tesouros… meus, seus, nossos: conhecer e cuidar para preservar

Colégio Santa Maria

03 Maio 2017 | 11h49

Autoria: Elizabeth Nishiyama Muniz

 

Após as leituras nas semanas de adaptação, o grupo do Jardim II E do Santa Maria mostrou curiosidade pela formiga, um dos personagens existentes nas histórias. Procuravam o inseto pelos espaços da escola: jardins, bosque, parque. Queriam saber onde morava, o que comia e como era: “A formiga come folhas?”, “Elas andam juntas?”, “Conseguem subir em árvores?”.
Essa exploração continuou por muitos dias, pelos passeios no Colégio, com olhares aguçados e espírito investigativo. Durante as explorações e rodas de conversa, as crianças lançaram comentários:

“As formigas são importantes porque são nossos tesouros!”

“Elas têm um formigueiro valioso!”

“As formigas são importantes porque têm patas construtoras!”

“Tem formigas que fazem coisas diferentes para ajudar as outras: pegar comida, proteger o formigueiro, cuidar dos bebês e da rainha!”.

“Tesouros são coisas valiosas!”

“Tesouro é nosso amor maior!”

“A natureza é o lugar onde as formigas guardam os tesouros!’

 

Depois de muitas pesquisas na escola e em casa, com participação das famílias na sacola viajante, descobrimos que as formigas são importantes para nosso bioma por comerem restos de alimentos e alguns insetos que prejudicam a lavoura. Dessa forma, são nossos “tesouros”, pois ajudam a cuidar do planeta.

Fazendo um paralelo com os tesouros do grupo, as crianças levaram para casa uma caixa surpresa para compor “os tesouros que podemos oferecer”: algo que soubessem fazer com suas famílias para ensinar ou mostrar para os colegas: confecção de pulseira, biscoito, bolo, brigadeiro, cupcake, entre outros. Foram trabalhadas habilidades como: explorar, identificar, investigar, expressar, registrar, relatar, respeitar, reconhecer, cuidar, partilhar, cooperar, ampliando a formação pessoal e social e o crescimento do grupo.

As crianças passaram também a recolher tesouros (elementos da natureza) durante as explorações aos espaços da escola: pinha, coquinho, sementes, gravetos, folhas.

Pensando nisso, levei para a sala um cesto para guardarem os “tesouros” encontrados pela escola. O “cesto dos tesouros” é alimentado diariamente pelas crianças com os elementos recolhidos, de maneira espontânea, periódica e investigativa.

Com o objetivo de mostrar os tesouros que temos em nossa escola, participaremos do projeto Caixas da Natureza, organizado pelo Ser Criança é Natural, por Ana Carol Tomé. Compartilharemos a natureza que nos cerca e nos inspira. As crianças estão construindo a caixa da natureza com os tesouros já encontrados: gravetos, sementes, pinha e folhas. Fizemos a classificação dos tesouros, separando os elementos iguais em cestos, para depois iniciarmos a construção da caixa. Atualmente, estamos nesse processo de escolha do que e como enviaremos na caixa (elementos e estrutura).

Em maio, enviaremos nossa caixa para uma escola em Guaianazes, para crianças entre 4 e 6 anos de idade. Também receberemos uma caixa de alguma escola do nosso país.

Dessa forma, o cesto dos tesouros, os tesouros que podemos oferecer e as formigas construtoras fizeram conexões sobre o “amor maior” do grupo… tesouros a serem protegidos! Surge então nosso projeto “Tesouros… meus, seus, nossos: conhecer e cuidar para preservar”.