Sarau: janela da alma

Sarau: janela da alma

Colégio Santa Maria

19 Junho 2015 | 06h41

Evento apresenta talentos dos alunos do Ensino Médio em várias manifestações artísticas e literárias

Em uma noite agradável de outono, o refeitório do Colégio recebeu mais um Sarau do Ensino Médio. Das 18h às 21h, alunos, professores e pais saborearam doces bocados de Literatura e Música. Drummond, Beethoven, Vinícius de Morais, Chopin e outros grandes compositores e autores dividiram o palco com adolescentes que leram ou tocaram criações próprias.

É comum haver apresentações com o violão, a gaita, a flauta transversal, a flauta de bambu japonesa ou instrumentos de percussão. A variedade dá o tom dos encontros. Com um público cativo bastante participativo, os Saraus servem, também, para que se vejam talentos até então desconhecidos entre os alunos. Difícil não se emocionar vendo tantos jovens fazendo e apreciando Arte.

“Engolidos pelo redemoinho do dia a dia, presos aos afazeres-deveres, esquecemos, muitas vezes, a necessidade de alimentar a mente e a alma. Não vemos diferenças entre os diferentes. Percebemos a mesma tonalidade a cobrir tudo. Ouvimos sempre o mesmo zumbido. Assim como um músculo não utilizado se atrofia, nossa sensibilidade fica embotada”, declara Adriano Silva dos Santos, professor de Língua Portuguesa do Ensino Médio. Nesse contexto, são adequadas as palavras do poeta Mário Quintana, em seu poema “Emergência”:

 Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela
abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo
– para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.

 “O Sarau é uma janela por onde entra a brisa fresca e revigorante de Apolo e das Musas. Uma chance de escapar do turbilhão de informações que nos afoga diariamente. Um momento para suspirar, chorar, emocionar-se, sorrir… Para ter (retomar?) contato com tudo aquilo que nos faz humanos. Uma oportunidade para, por meio da música e da poesia, pararmos de fugir de nós mesmos”, finaliza o professor.

1906_Poesia

Mais conteúdo sobre:

poesiasarau