Momentos para guardar na memória

Momentos para guardar na memória

Colégio Santa Maria

29 Janeiro 2016 | 07h30

“Olha a ciranda!

É debaixo do sol… É debaixo da lua…

Bem no meio da praia, bem no meio da rua”.

 


Ao participar de uma ciranda, damos a mão para o outro e recebemos outra mão; somos incluídos. Para existir, a roda precisa de todos, do grupo. Todos são convidados a participar. E, ao participar, movimentamos o corpo; corpo que interage com o meio físico e social, que aprende, gradativamente, a organizar-se e assim formar conceitos de localização espacial; corpo que aprende a coreografia, o ritmo da música. Ritmo que transforma o corpo, que pulsa e deixa marcas; música que desperta emoções: alegria, medo, angústia, êxtase, tranquilidade; emoções que se transformam em memórias.

Ouvir é um aprendizado: ouvir sons do cotidiano, sons da natureza, sons de animais, músicas clássicas, cantigas infantis, ou seja, a música possibilita o desenvolvimento da memória auditiva e, segundo pesquisas da Neurociência, contribui para o desenvolvimento da criança formando estruturas fundamentais para aprendizados futuros.

NossosGigantes_dançamúsica_MG_3389

As cantigas e as brincadeiras de roda trazem, também, outra dimensão para a criança que é a cultural. “Somos seres de cultura e devemos nos constituir na cultura à qual estamos inseridos”, declara a professora do Jardim I do Santa Maria, Claudia R. Simões Lacerda. Olha a ciranda. Ela é feita de música, de ritmo, de emoções. Toda criança tem o direito de brincar, cantar, dançar e constituir-se culturalmente!