Expandindo os horizontes

Expandindo os horizontes

Colégio Santa Maria

05 Fevereiro 2016 | 07h30

Alunos do Pré do Santa Maria realizam visita à “Cidade das Abelhas”

Lugar de criança é na escola? Sim, e também nas ruas, nos museus e na natureza. É nesses lugares que os pequenos observarão, cara a cara, o que aprendem em sala de aula e, mais do que isso, desenvolverão uma visão própria do mundo. “O passeio com contexto amplia o projeto da turma e suscita novos questionamentos, permite que a criança entre em contato com certas dimensões da realidade que não teria na sala de aula”, aponta Karine Ramos, orientadora do Pré.

Para as crianças que pesquisaram por meses a vida, a alimentação e o comportamento das abelhas, visitar o museu do apicultor e avistar um vale cheio de “casas” de abelhas é uma maneira de ampliar saberes. A experiência possibilitou à turma conhecer: outros animais polinizadores; que o zangão não pica, porque ele não tem ferrão; que o mel puro é vendido em potes de vidro e que a garrafa não é uma boa embalagem para guardar mel; que as abelhas não dormem, assim como os golfinhos; que as abelhas brasileiras não possuem ferrão e que as abelhas que picam vieram de outro país; que o sabor do mel depende das flores, tem mel de flores de laranjeiras, de eucalipto, de limoeiro etc.

NossosGigantes_abelhas_P1060241

Em sala, as observações realizadas no passeio suscitaram novas pesquisas e narrativas, como as conclusões a seguir, produzidas a partir das emoções e observações vividas:

  “Quando chegamos, O Fabiano, que é o apicultor, estava nos esperando e nos levou para conhecer o museu. Lá ele explicou muitas coisas que a gente não sabia.”

“É bom comer mel à noite para acordar com energia.”

“Quando uma abelha pousa na gente, tem que assoprar que ela sai; se bater, ela pica.”

“As abelhas existem desde antes dos dinossauros.”