Compromisso assumido

COLÉGIO SANTA MARIA

24 Fevereiro 2017 | 07h30

 

Autoria: José Ricardo Rik do Val (Zeca)

Educação Física na 3ª série do Ensino Médio: autonomia do estudante observada na ação responsável e na demonstração de conhecimentos

No início do ano letivo, ao apresentarem o documento intitulado “Compromisso de Curso”, através da leitura e análise de um quase “contrato” entre as partes do processo de ensino e aprendizagem, a saber, professor (a), aluno (a) e conhecimento, as disciplinas no Ensino Médio do Santa Maria oferecem uma ótima oportunidade para que o estudante faça uma leitura prévia das expectativas que recairão sobre seu aproveitamento e sua conduta.

Sagra-se nesse lugar uma visão precípua de Educação, que considero importante para o Ensino Médio. A de que o aluno (a) se torna autônomo (a) na medida em que assume gradualmente as rédeas e o protagonismo na relação com o conhecimento. Quanto mais gestor de seu processo e menos um ouvinte passivo, mais construirá a sua autonomia. Do ponto de vista do ensino, gera-se aí uma demanda por maior número de propostas disponíveis e significativas, maior supervisão das práticas, um nível maior de descentralização do processo das mãos do professor e uma flexibilização das práticas propostas.

No Ensino Médio, a lógica da verticalidade do curso de Educação Física atribui respectivamente da 1ª à 3ª série os conceitos de Intencionalidade, Organização e Regularidade. Regularidade expressa na prática voluntariosa, uma vez que não estão mais tão ativos como em anos anteriores e porque já assimilaram muitas informações sobre a organização tática e aspectos técnicos de movimentos em jogos diversos. É chegada a hora de exercer a autonomia em sintonia com uma prática regular nas aulas de Educação Física na terceira série, tão sobrecarregada pelas provações dos vestibulares da vida.

Desse modo, os estudantes serão observados através das escolhas que, uma vez por mês, farão nas aulas através de atividades relacionadas com a Cultura Corporal de Movimentos, pautadas em Jogos ora vinculados ao lúdico e ao integrador, ora mais sintonizados com a competitividade do Esporte. Não importa o estímulo, é o caráter participativo e a busca que o estudante demonstra em aula que revelam o desempenho por um patamar positivo de melhora da sua condição vigente e a adoção de um estilo ativo.

Ser ativo é o conceito que rege a demonstração de autonomia dos estudantes nesses momentos, para que executem dentro de um método: escolher uma atividade disponível, assumir  responsabilidades pelos espaços e materiais escolhidos (disponibilizados pelo professor), pela formação de grupos inclusivos e, desse modo, são observados em seu processo, demonstrado maior ou menor interesse e conformidade com os critérios de atitude positiva, participação ativa e comprometida com o combinado com o professor. Ao final do bimestre as atividades “alcunhadas” de Autonomia, serão ponderadas como uma ferramenta a mais de observação e atribuição de conceito sobre o aproveitamento.

Uma coisa é sabida e notória entre quaisquer propostas de ensino: não se chega a um grau de organização e de envolvimento sem que o estudante exerça de fato a tentativa, o erro e a conscientização sobre a possibilidade de fazer escolhas e assumir responsabilidades. Esse é um atributo possível e pertinente do trabalho corporal e motor na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.