Capoeira na Educação Física – reflexão e conscientização

Capoeira na Educação Física – reflexão e conscientização

Colégio Santa Maria

20 Novembro 2017 | 07h30

Autoria: Cleber Teodoro Pereira da Silva

 

Em 20 de novembro de 1695, morreu Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares. Com o objetivo de lembrar a sua luta e a de todo povo negro contra a escravidão e outras formas de opressão, celebramos nesta data o Dia da Consciência Negra. É o momento de lembrar que toda liberdade é conquistada com o sacrifício de muitos, e que temos que valorizar aqueles que preservaram nossa cultura e tradições.

Nessa perspectiva, os alunos do 7º ano do Colégio Santa Maria, no mês de novembro, dentro do eixo de lutas no componente de Educação Física, tiveram contato com a capoeira, forte marca deixada pelos escravos negros em nossa cultura.

Uma característica que distingue a capoeira da maioria das outras artes marciais é o fato de ser acompanhada por música, especialmente usando o berimbau. Valendo-se de golpes e movimentos corporais ágeis e complexos, bem como de elementos ginástico-acrobáticos, os estudantes foram estimulados a desenvolver, nas aulas de Educação Física, aspectos como criatividade, auxílio na boa relação com os colegas, melhora no desenvolvimento das habilidades físicas e, principalmente, na coordenação motora trabalhada a partir das vivências.

A capoeira traz por meio das cantigas, da história e das nossas tradições a memória dos tempos difíceis. As aulas de capoeira levaram os alunos à análise e reflexão de que um dia para destacar a consciência negra no Brasil é um dia para refletir frente a toda nossa consciência histórica.

Deste modo, foi com muita ginga e musicalidade que voltamos às raízes de nossa cultura, para reverenciar os negros escravizados que utilizaram este importante instrumento (a capoeira) como resistência física e cultural.

 

Viva a capoeira!