As Bruxas

As Bruxas

Colégio Santa Maria

03 Dezembro 2015 | 07h30

O projeto literário do 4º ano do Fundamental I do Santa Maria tem como objetivo estimular a leitura de diferentes gêneros literários, promovendo atividades que despertem o desejo de ler, além de levar à descoberta do prazer que a leitura proporciona.

0312_IMG_20151125_145134679

E por que não iniciar com a leitura dos clássicos? Moby Dick, de Herman Melville, e Viagem ao centro da Terra, de Júlio Verne, transportaram os alunos para outro tempo e outro espaço. Justificando as escolhas e intenções, vale citar Italo Calvino: “Clássico é um livro que, quanto mais pensamos conhecer por ouvir dizer, mais se revelam novos, inesperados, inéditos, quando são lidos de fato”.

Em seguida, a série partiu para a coleção “Salve-se quem puder” mergulhando em aventuras e mistérios, além de promover o rodízio de livros entre as salas e o intercâmbio de opiniões.

Aliás, pensando ainda em manter o fascínio por palavras e ideias, nada melhor que um livro cheio de magia e fantasia, onde o aluno tem que conquistar e vencer as dificuldades da leitura. Sendo assim, emoção e envolvimento descrevem o último bimestre dos alunos do 4º ano. Sendo assim, o projeto foi finalizado com a leitura do livro As Bruxas, de Ronald Dall, em que a cada capítulo o grupo deparou com novas sensações e um gostinho de quero mais. Logo todos estavam envolvidos e o assunto mais comentado entre os alunos era sobre as bruxas.

Durante a leitura do livro, surgiu a oportunidade de trabalhar diferentes habilidades, envolvendo criação, comparação e justificativa do conflito da história, com a análise de causas e consequências das ações das personagens. Para isso, os alunos desenharam um retrato da bruxa e escreveram a descrição com alteração de foco narrativo. Logo após, uma exposição foi montada e todos puderam extravasar sua criatividade criando uma nova personagem que pudesse participar da “Convenção das Bruxas”, seguida de uma produção textual de apresentação.

Complementando os trabalhos, a série realizou a leitura, em roda, dos textos produzidos sem identificar o autor e, nesse momento, os alunos tinham que descobrir qual bruxa tal texto se referia. A partir dessa etapa, percebemos uma maior autonomia dos alunos em revisar sua escrita e como interlocutores puderam interferir no texto dos colegas. Apesar de nem todas as bruxas terem sido identificadas com a primeira versão, após as interferências realizadas, todos os textos passaram a ter as informações necessárias para tal reconhecimento.

Para finalizar, os alunos foram convidados para a “Convenção Anual das Bruxas” no auditório do Colégio e, surpreendendo a de todos, a versão cinematográfica foi apresentada. Depois de uma hora e meia de concentração, os alunos puderam notar diferenças e semelhanças entre as obras e hoje cada um deles tem argumentos para sinalizar em ambas as linguagens.

Por outro lado, viu-se que a atmosfera de encantamento que envolveu todas as atividades do projeto foi essencial para cativar os alunos a valorizar as produções, sejam elas escritas ou artísticas como um todo, não somente a sua.