Brincar: antídoto para o estresse infantil

Colégio Santa Amália

26 Setembro 2017 | 18h48

“Brincar é mais que aprender, é uma experiência essencial, um modo de decidir como percorrer a própria vida com responsabilidade”

O estresse é uma reação do organismo diante de situações  difíceis ou excitantes e  pode ocorrer em crianças de qualquer idade, independentemente do sexo. Ele pode se manifestar por meio de sintomas físicos ou psicológicos.

 

 O tema é preocupante. Agendas diárias repletas de compromissos estão contribuindo para gerar crianças estressadas e comprometendo o desenvolvimento infantil. Muitos pequenos têm um rol de atividades de tirar o fôlego de qualquer adulto: natação, inglês, equitação, tênis, futebol…

Os especialistas afirmam que essa exposição a uma rotina sobrecarregada de afazeres pode transformar as crianças em adultos com propensão a doenças coronarianas, diabetes, uso de drogas e depressão. É mesmo inquietante!

Além disso, sabe-se que acontecimentos corriqueiros como frustração ou aflição frequentes, brigas na escola ou na família, críticas e a desaprovação dos pais,“bullying” e atividades em demasia também são desencadeadores do estresse. O excesso de coisas, opções, informações e excesso de rapidez levam ao estresse. Quando as crianças estão sobrecarregadas, elas não têm tempo para explorar, refletir e liberar tensões diárias.

Certas situações de forte impacto, como a morte de alguém próximo, um acidente, a agressão física, o abuso sexual, o qual gera no organismo uma espécie de intoxicação, provocam a queda da  imunidade e deixam a criança  mais exposta a infecções, por exemplo. Crianças estressadas, então, estão mais vulneráveis às doenças.

Sabe-se, também, que os pais estão cada vez mais preocupados com a formação de seus filhos, antevendo os obstáculos que estes encontrarão no futuro, especialmente no mundo do trabalho. A preocupação é pertinente, mas a forma de amenizá-la é que preocupa.

O antídoto para o estresse infantil está no tratamento respeitoso e amoroso, na harmonia dos horários, na alimentação saudável e no brincar. Brincar é mais que aprender, é uma experiência essencial, um modo de decidir como percorrer a própria vida com responsabilidade. É fato que a brincadeira é essencial!

Para as crianças, o brincar e o jogar são modos de aprender e de se desenvolver. Não importa que não saibam disso. Ao fazer essas atividades, elas vivem experiências fundamentais. Daí porque se interessam em repeti-las e representá-las até criarem ou aceitarem regras que possibilitem compartilhar com colegas e brincar e jogar em espaços e tempos combinados.

Contudo, ao se desenvolver, a criança não quer só brincar de, ela quer brincar com. Jogos sempre foram experiências de troca. Daí a importância de estabelecer contratos, fixar limites de espaço e tempo, definir objetivos. Realizar um percurso é uma das brincadeiras preferidas das crianças. Mesmo que não saibam, elas estão representando e se preparando para repetir outro percurso que nos foi concedido ao nascer. Percorrer a vida é a tarefa, o problema ou o desejo de todos nós. Não escolhemos a vida, mas devemos escolher os modos de vivê-la. O caminho percorrido não volta. O caminho a percorrer deve ser decidido aqui e agora. Nos jogos, é possível repetir e criar regras, errar e começar de novo. Graças a isso, o outro percurso ganha sentido e passa a ser vivido com mais liberdade e responsabilidade.

Maria Zélia Dias Miceli

Gestora/Colégios Santa Amália/Liga Solidária