A importância do ritmo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A importância do ritmo

Colégio Salesiano

23 Março 2018 | 14h26

Por Eliana Fátima Rodrigues Nogueira Cimmino *

A palavra Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui, que se move e que tem movimento regulado. O ritmo é uma qualidade fundamental existente em todo ser humano, porém, de uma forma diferenciada (ARTAXO e MONTEIRO, 2000).

O ritmo na vida de uma pessoa pode ser comparado ao desenvolvimento das funções das quais nos apropriamos desde o nosso nascimento e que iremos reconhecendo e interiorizando por meio de repetições.

Na Educação Infantil, temos como proporcionar dinâmicas, inserindo atividades que irão ao encontro das necessidades das crianças e sua faixa etária.

Segundo o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (Brasil/MEC/SEF, 1998, p.73, V. I), a rotina deve ser facilitadora, ou seja, deve proporcionar dinamização de aprendizagem.

Essa rotina necessita ser clara para todos, pois assim irá propiciar segurança e dará compreensão sobre o tempo e o espaço. Percebendo e se apropriando de seu ritmo pessoal, a criança irá experimentar e conhecer suas variações corporais e suas rotinas diárias.

Podemos fazer uma comparação com o ritmo de nossa respiração: em determinado momento ela está mais para dentro (inspiração) – o brincar dentro de casa, realizar uma atividade gráfica ou tomar lanche, por exemplo, a criança fica mais quieta. Entretanto, em outro momento, torna-se mais para fora, acelerada (expiração) – o brincar no parque, correr ou pular livremente.

Quando realizamos as atividades repetidamente, sabemos o que irá acontecer, dando a sensação de segurança; e isso para a criança é muito importante e necessário para o seu processo de desenvolvimento, formação e amadurecimento.

Quando o ser humano respeita essa pulsação, ele se insere no ritmo natural das coisas e adquire saúde física e emocional. “Após os três anos de idade a criança será submetida a uma evolução rápida no plano de percepção e conscientização do próprio corpo” (Araújo, 1992, p.33).

Portanto, ritmo está ligado à rotina. Saber que tudo sempre vai se repetir cria confiança e segurança para a vida, mas precisamos nos ligar ao que vem de dentro de nós. Brincar, para a criança, é tão sério como trabalhar para o adulto. Brincando, ela imita gestos e atitudes do mundo adulto, descobre, vivencia e experimenta sensações.  Por isso, o experimento vivenciado faz com que a criança se sinta curiosa e protegida.

Um exemplo de experimento que pode ser colocado em prática é a brincadeira “Percebendo meu Ritmo”. Para concluirmos, podemos descrevê-la, resumidamente, da seguinte forma: as crianças colocam a mão sobre o coração, sentindo seus batimentos, em situação de relaxamento. As batidas do coração podem ser reproduzidas por meio de palmas, batidas dos pés ou de um tambor. Em outro momento, as crianças correm e voltam para o local estipulado, observando seus batimentos do coração e reproduzindo-os com palmas ou batidas de tambor.

Essa atividade, em que há contração e expansão, segue o ritmo cardiorrespiratório do coração e pulmão. “Cada indivíduo possui uma característica de ritmo e uma maneira própria de manifestá-lo” (ARRIBAS, 2002, p.168).

 

* Eliana Fátima Rodrigues Nogueira Cimmino é professora de Educação Infantil do Colégio Liceu Coração de Jesus.

Mais conteúdo sobre:

ritmoeducação