Alfabeto da Intolerância

Alfabeto da Intolerância

Vídeo produzido por alunos e professores surdos e ouvintes do Rio Branco, integra projeto da ONU

Colégio Rio Branco

29 Novembro 2017 | 15h23

O Coletivo Humana Mente acaba de lançar o vídeo “Alfabeto da Intolerância”, que integra a campanha mundial dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, organizada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O grupo é formado por alunos e professores do Colégio Rio Branco (CRB) e do Centro de Educação para Surdos Rio Branco (CES), e o vídeo é o projeto final de uma série de debates sobre intolerância de gênero, racial, religiosa, entre outras, promovidos ao longo de meses.

Rica em detalhes e buscando explorar ao máximo a sensibilidade do tema e dos sentidos humanos, a produção audiovisual apresenta uma palavra relacionada a intolerância para cada letra do alfabeto e o seu respectivo sinal em Língua Brasileira de Sinais (Libras). A escolha das palavras, o roteiro, a produção e as filmagens foram todas realizadas pelos estudantes.

16 Dias de Ativismo da ONU

Este ano, o tema definido pela organização  é “Não deixar ninguém para trás: acabar com a violência contra as mulheres e as meninas, começando com as mais vulneráveis”.

O calendário reconhece, como compromisso, através de temas mensais, a necessidade de dar destaque às implicações e consequências da violência contra as mulheres e meninas nos grupos mais marginalizados, incluindo mulheres negras, indígenas, deficientes físicas, refugiadas, migrantes e de minorias diversas.

Por essa razão, a entidade acolheu como pertinente o tema e a produção dos alunos do Coletivo Humana Mente.

No Brasil, a campanha da ONU começou no dia 20 de novembro (Dia da Consciência Negra) e termina em 10 de dezembro (Dia Internacional dos Direitos Humanos).

Os 16 Dias de Ativismo começaram em 1991, quando mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (CWGL), iniciaram uma campanha com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo. A data é uma homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, que se posicionaram contrárias ao ditador Trujillo, ficando conhecidas como “Las Mariposas”, e sendo assassinadas em 1960, na República Dominicana.

Hoje, cerca de 150 países desenvolvem esta campanha. No Brasil, ela acontece desde 2003, por meio de ações de mobilização e esclarecimento sobre o tema.

Assista ao “Alfabeto da Intolerância” do coletivo Humana Mente : http://gg.gg/hmalfabeto