A encantadora inspiração de Reggio Emilia no Colégio Rio Branco

A encantadora inspiração de Reggio Emilia no Colégio Rio Branco

Arte, linguagem e observação: como o modelo italiano de Educação Infantil se transformou em uma inspiração mundial

Colégio Rio Branco

06 Dezembro 2017 | 19h43

Arquivo Rio Branco

A metodologia de ensino infantil de Reggio Emilia, cidade do norte da Itália, é considerada a melhor do mundo. Entre os diversos aspectos interessantes, o modelo acredita que as diferenças e a subjetividade reforçam o valor de cada indivíduo, e por isso, o fazer educativo deve contemplar as particularidades das crianças e suas famílias.

O educador italiano Loris Malaguzzi (1920-1994), idealizador e percursor da metodologia de Reggio Emilia, foi  influenciado por importantes teóricos da psicopedagogia como os europeus Jean Piaget e Lev Vygotsky, o norte-americano John Dewey,  e os próprios italianos, Maria Montessori,  as irmãs Agazzi e Bruno Ciari.

Em um período histórico delicado pós Segunda Guerra Mundial e com a Itália devastada, Malaguzzi passou a defender e trabalhar com a premissa de que o processo pedagógico deve ter como centro, o desenvolvimento intelectual, emocional, social e moral das crianças, com a união da comunidade e das famílias.


As escolas em Reggio Emilia são espaços onde a arte é uma das principais ferramentas para a construção do pensamento e uma aprendizagem real. Dessa forma, é possível observar como a criança argumenta e se expressa, o que produz com as mãos, como brinca, troca ideias, questiona e se interessa. O plano é inserido como um desafio que envolve conhecimento de exploração e discussões em grupo.

Essa abordagem evoluiu e comprovou a importância de se efetuarem registros da maneira de pensar, observar e investigar do aluno, que vão além de provas e trabalhos escritos, e de interpretá-los como uma forma de avaliar, profundamente, a evolução de seu processo de aprendizagem e da própria metodologia utilizada pelo educador.

Arquivo Rio Branco

O modelo pedagógico deu tão certo que acabou por influenciar escolas e educadores no mundo todo nas últimas décadas.

Sempre atento às melhores tendências e práticas internacionais e baseado na excelência do trabalho realizado nas escolas de infância de Reggio Emilia, desde 2009, o Colégio Rio Branco passou a adotar como ferramenta de reflexão educativa a Documentação Pedagógica – estratégia ética e investigativa que dá voz à infância.

Tal estratégia, diferentemente do registro de atividades que sempre foi feito nas escolas, a Documentação Pedagógica possibilita a visualização da originalidade dos processos construtivos das crianças, de suas experiências individuais e em grupo, por meio de textos escritos, imagens e objetos.

A análise desses documentos, ao reunir flagrantes da rotina das crianças da Educação Infantil, permite aos educadores, revisar práticas que compreendam melhor a cultura da infância. Esses documentos analisados e interpretados com outros educadores oferecem condições para entender e transformar o cenário do cotidiano escolar e instiga um contínuo crescimento profissional.

Quando os documentos são revistos pelas crianças, elas também têm a oportunidade de compartilhar suas ideias, tomar consciência de sua aprendizagem e aprender a apreciar e respeitar o trabalho do colega, fortalecendo vínculos e construindo um ambiente cooperativo.

Além disso, os pais, por intermédio desses registros investigativos, têm, também, condições de conhecer situações vivenciadas pelo filho que até então desconheciam, e, às vezes, até surpreendentes para a família.

Essa experiência tem proporcionado o desenvolvimento de uma escuta mais atenta e cuidadosa dos saberes das crianças, o aprimoramento de métodos de observação e registro, além de fortalecer o sentido de equipe.

As educadoras italianas Maddalena Tedeschi e Luisa Costi, no Colégio Rio Branco

Recentemente, no mês de novembro, o Colégio Rio Branco sediou  o “Seminário com Educadoras de Reggio Emilia – Itália”, promovido pela RedSOLARE Brasil, e recebeu as educadoras italianas Maddalena Tedeschi e Luisa Costi, que falaram sobre a educação infantil na região e a excelência desse modelo.

Também foram abordados temas como a construção de currículo, projeto político pedagógico, monitoramento dos processos de aprendizagem, entre outros.

O seminário contou com a participação de professoras da Educação Infantil e do Ensino Fundamental do Colégio Rio Branco e de centenas educadores de todo o Brasil, interessados em novas inspirações para o aprimoramento de suas práticas e experiências de ensino e aprendizagem no dia a dia escolar, sempre tão desafiador.