As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aprendendo com Tarsila do Amaral

Colégio Anália Franco

19 Fevereiro 2018 | 15h32

Por Katia Frassei, professora da Educação Infantil

 

 

Quando tive a ideia de desenvolver o projeto da artista plástica Tarsila do Amaral com os alunos do Curso Integral Educação Infantil do Colégio Jardim Anália Franco, pensei na infância que é uma época de descobertas, aventuras e magia para as crianças. É quando ingressam na  escola que as crianças têm  seus primeiros contatos com as linguagens da arte. E cabe  ao professor valorizar o repertório cultural  e a criatividade que cada aluno  traz para a sala de aula e propiciar aos pequenos novas possibilidades de  descobertas e criações. É através do lúdico que as crianças  aprendem e enriquecem a sua imaginação.

Penso que ao se valorizar o papel das artes plásticas nesta fase, ao criar, manipular materiais concretos, expressar sentimentos e tomar contato com manifestações artísticas, as crianças descobrem um universo amplo de muitas possibilidades e experiências. Além disso, ampliam sua percepção do mundo, desenvolvem os sentidos e as relações que mantém entre si, além de exercitar as habilidades motoras.

 

O meu papel como mediadora foi criar condições materiais e pedagógicas para que o contato da criança com a arte acontecesse de forma mais lúdica e prazerosa. Orientando, provocando, e criando um ambiente propício para que ela fizesse, refizesse, experimentasse e construísse.

Minha proposta era  fazer com que a arte fosse compreendida pelas crianças como uma linguagem humana, uma forma natural e profunda de expressão de ideias, emoções e sentimentos.  E esses novos saberes possibilitaram uma aprendizagem significativa e contextualizada.

As crianças se envolveram e cada vez mais queriam aprender sobre a Tarsila e suas obras. Comecei o projeto mostrando a vida de Tarsila, livros e algumas obras.

As crianças vinham de casa falando de suas obras e sugerindo atividades para serem elaboradas.

Tivemos algumas releituras confeccionadas em grupo como o caso da obra dos “Operários”, “Abaporu”, “Vendedor de frutas” onde propus situações de investigações, debates, análises, por meio de situações concretas, criando boas situações de aprendizagem. E o mais importante a meu ver, sobre cada obra foi respeitada a opinião de cada um.

Todas as releituras desenvolvidas por eles foram espalhadas pela escola fazendo com que outros alunos também participassem da releitura como foi o caso das obras “O vendedor de frutas” e “Abaporu” que ao misturar foto, arte, criatividade e um pouco de habilidade manual, as crianças “entraram” literalmente no quadro.

Outra releitura interessante foi da obra “Urutu”. Fizeram uma visita ao laboratório da escola onde conheceram a cobra, e depois usaram um ovo de verdade, massinha de modelar e tinta guache na composição.

A integração com os alunos da 3ª série do Ensino Médio também foi muito produtiva. As crianças foram caracterizadas e contaram um pouco da vida e obras de Tarsila.

Tivemos momento de culinária utilizando cores aos alimentos.

Posso dizer que foi muito divertido e prazeroso trabalhar esse projeto e com certeza as crianças reconhecerão algumas das obras principais da Tarsila do Amaral ao longo da vida e saberão falar sobre elas, de maneira leve e descontraída mesmo que superficialmente.