O Circo na Escola

O Circo na Escola

Patrícia Delázari

13 Setembro 2017 | 10h51

Sou Rubia Neiva, professora de arte circense, modalidade que estudei na França entre 1997 e 2000 nas escolas Annie Fratelini(Paris) e No Centre National des Arts du Cirque(Chalôns en Chanpagne Marne). Anualmente retorno à Europa para reciclar meus conhecimentos e aperfeiçoar as técnicas profissionais. Em julho e agosto deste ano passei por três países, Polônia, República Checa e Áustria e voltei com muitas novidades para os alunos das turmas formadas por crianças e adolescentes do Colégio Horizontes.

As aulas de circo foram reintroduzidas no colégio neste ano, o que é ousado em termos de proposta educacional e não é muito comum. Mas tudo contribui para a efetivação de um bom trabalho, tantos nos espaços abertos, quanto na sala de dança. Os alunos se entregam às sugestões e às acrobacias com muito entusiasmo e disposição. Tenho sentido ao longo desse tempo o progresso que eles vêm fazendo tanto neste aspecto em especial, quanto no conjunto de sua vivência cotidiana.

Como atividade física, o circo traz diversos benefícios: melhora a coordenação motora, a orientação espacial, o equilíbrio estático dinâmico, a elasticidade e ainda exercita a paciência, a autoconfiança, a agilidade e a concentração.


Incentiva também o trabalho em equipe e a socialização, além de ajudar o praticante a vencer seus medos e limites. Em um mundo onde impera a tecnologia, é cada vez mais importante ativar corpo e mente de forma saudável e lúdica, que são características inerentes à prática circense.

Sinto-me realizada com cada pirueta e com a surpreendente evolução dos movimentos conquistados pelos alunos.