Aula de xadrez desenvolve habilidades cognitivas, emocionais e sociais

Escola Morumbi

10 Outubro 2017 | 11h15

Aprender a ganhar ou perder, respeitar o adversário e as regras são aspectos emocionais trabalhados dentro das aulas, ampliando o senso crítico da criança

 

O xadrez é um esporte que desenvolve o raciocínio lógico e abstrato, a capacidade analítica, a criatividade para resolver problemas e a habilidade para tomar decisões.

Os benefícios deste jogo não são apenas de caráter cognitivo.


Aprender a ganhar ou perder, respeitar o adversário e as regras são aspectos emocionais trabalhados dentro das aulas, ampliando o senso crítico da criança. A parte social da vida do estudante também é desenvolvida, já que cria novas amizades em um ambiente de aprendizado diferente.

A memória e concentração também são aspectos trabalhados.

Para Dayse Vescovi, professora de xadrez na Unidade Moema da Escola Morumbi, a atividade possibilita a inclusão de todos. O aspecto mais importante, para a profissional, é que a evolução no xadrez se dá pelo esforço, estudo e dedicação.

O trabalho duro ajuda muito na autoestima da criança, afinal ela acaba percebendo que é capaz de superar obstáculos, melhorar e conquistar resultados, independente de idade, condição física, intelectual, econômica ou social. Sempre com o amparo da escola e dos profissionais”, afirma a professora.

Dentro das aulas ministradas na Unidade Moema da Escola Morumbi, o programa promove a participação dos alunos, o debate, a conexão com outras disciplinas e analogias com o cotidiano, considerando a velocidade de aprendizagem e estilo de cada criança.

Na parte prática, o professor deve estar atento e atuar como mediador ao fazer perguntas que estimulem o raciocínio e a estratégia de jogo do aluno, trabalhando a curiosidade intelectual sem oferecer explicações prontas

É uma aula em que se busca o aprender pelo aprender”, diz Dayse. “Não há notas. É teórica e prática, desenvolvendo o conteúdo a partir das didáticas distintas de cada professor”, completa Dayse.

Por conta do objetivo das aulas de xadrez, a Escola evita participar de muitos campeonatos, para manter um ritmo saudável e sem pressão dentro do aprendizado. Os que, ocasionalmente, se interessam pela competição procuram ter aulas avançadas em clubes ou com professores particulares.

As aulas atraem muitos alunos. Ao implementar métodos dinâmicos e divertidos dentro do jogo, como partidas rápidas com o relógio, uma atividade tradicional e intelectual se torna mais interessante.

A professora Dayse conta. “Basta terem a oportunidade de conhecer o jogo”. Os estudantes que participam aguardam animados para uma nova partida.

O xadrez é uma ferramenta para ajudar a formar o caráter da criança, desenvolver diversas habilidades e integrar os alunos”, relata Dayse Vescovi.