Por que as crianças possuem mais facilidade para aprender uma nova língua?

Colégio Bis

30 Novembro 2017 | 14h58

 

O bilinguismo cresce como um fenômeno e como uma tendência no Brasil, pois destaca-se a importância da segunda língua para o desenvolvimento e o futuro do estudante. E de fato, para as crianças menores, a facilidade em aprender outro idioma fica mais evidente do que em outras idades. Cientificamente, existem explicações nas quais podemos facilmente compreender como o cérebro de uma criança funciona e desenvolve as habilidades linguísticas rapidamente.

Estudos apontam que, na fase entre dois e quatro anos de idade, existe uma “janela” crítica de formação no cérebro para o aperfeiçoamento da linguagem que está aberta a um determinado tipo de experiência.

Por meio de uma pesquisa divulgada pelo The Journal of Neuroscience, pesquisadores esperavam que uma quantidade maior de mielina fosse produzida no lado esquerdo do cérebro enquanto as crianças desenvolvem a linguagem. No entanto, eles descobriram que a quantidade de mielina se manteve constante, mas teve uma influência mais forte sobre a capacidade linguística antes dos quatro anos de idade, sugerindo que influências exteriores têm o seu maior impacto antes dessa idade, quando as ligações entre os neurônios se desenvolvem para processar novas palavras.

Já na puberdade, o cérebro forma estruturas neurais confiáveis para orientar as ações que tomamos. Não que isso irá dificultar o aprendizado do jovem, porém existe uma chance de seu desenvolvimento ser diferente comparado a uma criança pequena. De acordo com as pesquisas, à medida que mais estruturas neurais se formam, o cérebro perde sua flexibilidade.

Falar pode parecer simples, mas exige algumas tarefas do cérebro que precisa entender as estruturas do som e das palavras, percorrendo um caminho pelos hemisférios esquerdo e direito do cérebro até chegar ao aprendizado.

Mesmo diante de todos os estudos e pesquisas comprovadas cientificamente, lembramos que somente a criança é o sujeito de sua própria aprendizagem e desenvolvimento. Podemos oferecer as condições ótimas de desenvolvimento que ocorrerá, obviamente, alheio à nossa vontade. Isso não nos isenta da responsabilidade de oferecer a melhor equação de desenvolvimento, e de observar como a criança chega a seus próprios resultados.