Conheça os três principais benefícios do bilinguismo

Colégio Bis

04 Fevereiro 2018 | 11h17


Os benefícios do bilinguismo vão além do mundo dos negócios.  Nos últimos anos, cientistas comprovaram que as vantagens de ser bilíngue se estendem aos âmbitos da saúde e da capacidade de comunicação.
Segundo dados divulgados pela BBC, entre 60% e 75% das pessoas em todo o mundo falam ao menos dois idiomas. Confira alguns dos benefícios que reunimos sobre bilinguismo!


Facilidade em solucionar problemas

O neuropsicólogo Jubin Abutalebi, da Universidade de San Raffaele, de Milão, afirmou em uma entrevista à BBC que é possível distinguir bilíngues de outras pessoas apenas observando imagens escaneadas de seus cérebros, pois apresentam uma quantidade significativamente maior de massa cinzenta no córtex cingulado anterior. Ele funciona da mesma forma que um músculo: quanto mais se usa, maior e mais flexível ele fica.
O cérebro bilíngue é constantemente desafiado, pois precisa fazer um esforço maior para reconhecer e negociar significados, de forma a decidir qual idioma é mais adequado para cada instante, fortalecendo a concentração, alternando entre tarefas e filtrando informações irrelevantes.

Enriquecimento das perspectivas

Alguns neurologistas estudam o fenômeno das diferentes linguagens despertarem ações distintas no indivíduo. Tendo em vista que, ao ser questionado em português qual é seu prato favorito, provavelmente será escolhido um de nossos quitutes típicos. Já se a mesma pergunta for feita em italiano, o indivíduo provavelmente pensará em suas preferências gastronômicas da Itália!
O professor Panos Athanasopoulos, da Universidade de Lancaster, na Inglaterra, afirma que falantes da Língua Inglesa são focados na ação ao observar fenômenos. Portanto, é comum que bilíngues se sintam pessoas completamente diferentes ao falarem outro idioma, o que pode ser explicado pela lógica que cada idioma exige.

Envelhecimento com saúde

A psicolinguista Ellen Bialystok, da universidade de York, no Canadá, descobriu que indivíduos bilíngues com tendência ao Alzheimer demoraram 4 a 5 anos a mais para apresentar os sintomas em relação aos que falavam apenas um idioma. Não que ser bilíngue irá prevenir o desenvolvimento de doença, mas retardará seus efeitos. A cientista explica: se a demência afeta certas partes do cérebro, os bilíngues acabam compensando os danos por mais tempo porque têm uma massa cinzenta extra, bem como padrões neurais alternativos.
É possível concluir que o benefício de um cérebro bilíngue que mais tem empolgado cientistas é sua influência no envelhecimento. Estudos comprovam que o bilinguismo também melhora a proteção do cérebro no caso de danos. Um estudo recente feito com 600 sobreviventes de infartos, na Índia, mostrou que a recuperação cognitiva foi mais rápida nos indivíduos bilíngues.

O momento ideal para começar?

Aprender um idioma ativa as mais diversas funções no cérebro. Segundo a teoria do “período crítico”, as crianças têm mais facilidade em aprender línguas porque a plasticidade de seus cérebros permite que os dois hemisférios sejam usados na aquisição da linguagem. Já nos adultos, esse processo ativa somente um hemisfério — geralmente o esquerdo. Por isso, é tão importante aproveitar a infância e a adolescência para proporcionar o máximo de interações com outro idioma!