Adaptação na Educação Infantil

Adaptação na Educação Infantil

Colégios Batista Brasileiro

20 Fevereiro 2017 | 11h05

Colégio Batista Brasileiro - Unidade Perdizes

Colégio Batista Brasileiro – Unidade Perdizes

Para toda mudança é necessário um período de adaptação. E a forma como esse processo é realizado pode definir o sucesso ou o fracasso de qualquer situação.

Reconhecendo a importância que o período de adaptação tem para as crianças da Educação Infantil, principalmente para aqueles que nunca frequentaram a escola, o Colégio Batista Brasileiro, unidade Perdizes (SP), desenvolve um projeto especial de acolhimento dos novos alunos nos primeiros dias de aula.

Alunos no primeiro dia de adaptação

Alunos no primeiro dia de adaptação

A adaptação é um processo transitório que vai habituando a criança a sua nova realidade, longe da família, num novo ambiente, com novos coleguinhas, professores etc., e, para que ela sinta-se à vontade e se encaixe na nova rotina, é necessário dedicação e tempo, pois a confiança se constrói aos poucos, todos os dias. Por isso, o horário é diferenciado, mais curto nos primeiros dias de aula

No início das aulas no Colégio Batista Brasileiro, a Educação Infantil recebeu 78 novos alunos e todos passaram pelo processo chamado de “Boas-Vindas”. Mas antes de adaptar as crianças, o Colégio trabalha a adaptação dos pais, que, em alguns casos, é ainda mais difícil.

“Criar uma relação de confiança, em que os pais sintam-se seguros em deixar seus filhos aos cuidados de outras pessoas, que ainda não conhecem, é o passo mais importante do nosso trabalho”, explica Mônica Gioia, pedagoga e coordenadora da Educação Infantil.

Para tranquilizar os pais e fortalecer a parceria família-escola – tão necessária nesse processo, o Colégio realiza um grande encontro com os novos pais, e nesse momento são feitos alguns ‘combinados’, além de esclarecer as dúvidas, que não são poucas!

“Chamamos de ‘Reunião Preventiva’; este é o momento em que a família conhece a equipe de profissionais que estará à disposição de seus filhos diariamente, esclarecem dúvidas, dão sugestões, mas o mais importante é o momento dos ‘combinados’, já que definimos o que pode ou não acontecer nesse processo. Entendemos a preocupação dos pais, mas como educadores sabemos também que existem aquelas preocupações exageradas, e é nessa hora que estabelecemos os acordos de nossa parceria e buscamos tranquilizá-los para que o processo seja tranquilo para todos”.

Nas “Boas-Vindas” os alunos são envolvidos e orientados a receber com muito carinho os novos colegas. “Acredito que este é o momento mais especial. Os professores buscam motivar os recém-chegados com músicas, contação de histórias, dramatizações, dinâmicas variadas e atividades – sempre realizadas em duplas ou trios – para integração entre alunos que já estão há mais tempo com os novos”, conta.

Outro diferencial é o ‘Boneco da Chamada’ utilizado principalmente no Maternal 1 e 2 como uma estratégica lúdica para chamar a atenção da criança e distraí-la. O boneco pode ser manuseado, compartilhado e usado nas canções e dramatizações feitas em sala de aula. “Essa alternativa lúdica deixa a criança mais à vontade, pois aproximamos a rotina escolar de sua realidade”.

Aluna da Educação Infantil brincando com

Aluna da Educação Infantil brincando com “Boneco da Chamada”

 

Professora com aluno no primeiro dia de aula

Professora com aluno no primeiro dia de aula

Além disso, no decorrer do ano o Boneco também se torna uma ferramenta de aprendizado, ele recebe um nome próprio escrito em letra bastão, assim começa a ser inserido no mundo letrado e, dependendo da faixa etária, são trabalhadas a quantificação, cores, tato etc.

Mônica reforça, ainda, que o período de adaptação muda de criança para criança, e os pais só devem se preocupar se esse período ultrapassar três semanas. “Têm crianças que precisam de 10 dias de adaptação, outras que na primeira semana já não pedem pela mãe, mas têm aquelas que demoram mais. Nesses casos, lançamos mão de outros artifícios, como deixar que a criança traga de casa alguma coisa com a qual está acostumada: um brinquedo, um paninho que usa para se acalmar, entre outros. Sem esquecer que a participação e a parceria das famílias com a escola é fundamental, e sempre que identificamos dificuldades maiores, os pais são envolvidos imediatamente, para pensarmos juntos em alternativas mais efetivas”.