As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Saiba como lidar com as dores e os dilemas dos jovens

Thais Gonzales

05 Maio 2018 | 10h22

As taxas de suicídio de crianças e adolescentes no Brasil têm aumentado nas últimas décadas. Nos últimos cinco anos, a incidência entre jovens de 12 a 25 anos teve um salto de quase 40%. Na última semana, a mídia trouxe à tona novos casos.

De acordo com o Prof. Dr. Mario Louzã, médico psiquiatra, a adolescência traz uma vulnerabilidade muito grande em relação ao bullying, a pressões sociais. As redes sociais são um dos grandes motivadores de aumento de ansiedade, seja por comentários maldosos ou as famosas fake news, que viralizam instantaneamente.

O especialista explica que para lidar com essa fase, as famílias precisam identificar mudanças no comportamento do filho, buscar conversar, entender o que se passa e estar próximas da escola. “Diálogo e acolhimento são essenciais para que eles tenham segurança de compartilhar esses assuntos com os pais”, diz.

A diretora do Colégio Alicerce, Valéria Veiga, ressalta que a escola é parte importante na vida e no universo do jovem, podendo, assim, participar do cuidado e da prevenção de diversos aspectos da saúde de seus alunos. “A parceria com a Família é fundamental nesse processo para que toda a ajuda seja voltada para o mesmo objetivo. Estar inserido no grupo escolar e perto dos professores é importante para uma reflexão constante sobre temas tão delicados”, acrescenta.

No colégio, as dores e os dilemas são observados, ouvidos e tratados com atenção e responsabilidade. Há espaços para o diálogo sobre a depressão, o bullying, as drogas, entre outros temas que envolvem os adolescentes.

Fique de olho nos sinais

Segundo o Dr. Mario Louzã, é preciso estar atento a alguns sinais de que algo não vai bem:

– alterações de humor e no comportamento do aluno (mais intensidade do que é esperado nessa fase);

– isolamento;

– irritação e agressividade constante;

– processos autodestrutivos, como automutilação também são sinais;

– aumento ou perda de apetite;

– baixo rendimento e desinteresse pela escola e amigos.

Como ajudar

A diretora reforça a importância da presença e do afeto dentro de casa. Veja também outras dicas.

– diálogo e acolhimento são essenciais;

– incentive o desenvolvimento de habilidades socioemocionais do seu filho;

– acompanhe as redes sociais e as amizades desse adolescente;

– a família é o alicerce e referencial e deve estar sempre acessível para ouvi-lo, participando do dia a dia e oferecendo carinho e atenção.