Olga, a bolsista do Esporte

Olga, a bolsista do Esporte

Andrea Tissenbaum

01 Setembro 2015 | 08h56

Olga Correia e o embaixador do Reino Unido no Brasil, Sir Alexander Ellis

Olga Correia e o Embaixador do Reino Unido no Brasil, Sir Alexander Ellis

Quem procura sempre alcança. Estou cada vez mais convencida de que quando uma pessoa quer uma coisa e se empenha, ela consegue. Esta é a história de Olga Correia, uma pernambucana de 27 anos que mora em Brasília há doze e hoje trabalha no Ministério dos Esportes.

Olga se formou em Educação Física na Universidade de Brasília em 2012 e foi direto para um mestrado em gestão e marketing do esporte. Aluna esforçada, levou cinco anos para se formar em Educação Física – “queria aproveitar ao máximo o que a universidade podia me oferecer”, conta. Olga não mede esforços para fazer as coisas acontecerem. “Ter interesse no que eu estava estudando fez a diferença e durante a faculdade eu estava sempre disposta a aprender mais”.

Mas, ela queria ainda mais. Ficou sabendo sobre as bolsas Chevening, mas num primeiro momento não acreditou muito. “É que normalmente as bolsas são para quem estuda tecnologia ou é da área de exatas. Mas quando entrei no site e vi que uma das áreas prioritárias era gestão do esporte, achei perfeito para mim!”

Foi com todo esse interesse e dedicação que Olga conseguiu ficar entre os 84 brasileiros selecionados para receber uma bolsa Chevening, num universo de cinco mil inscritos.

O caminho não foi fácil. Na verdade o processo foi longo, duro e trabalhoso. O primeiro passo foi melhorar o inglês. Precisou estudar muito para tirar a nota exigida pelo programa. Com o apoio de seus pais e um dinheiro que havia começado a guardar para fazer uma pós-graduação no Brasil, resolveu investir num intercâmbio em Toronto, no Canadá, por cinco meses para estudar inglês e fazer bem a prova.

“Foi uma experiência maravilhosa, minha primeira saída mais prolongada do Brasil. Conheci gente do mundo todo, participei de atividades culturais legais, pratiquei fotografia, e é claro, estudei muito inglês. A decisão foi acertada. Olga foi bem no exame e voltou em janeiro de 2014 com sua inscrição pronta para levar adiante o processo do Programa Chevening.

“Eu queria muito conseguir essa bolsa”, ela conta. Olga teve que aplicar para três universidades inglesas e ser aceita em todas elas. Além disso, precisou organizar toda a sua documentação acadêmica e vários outros papéis exigidos pelo programa. Foi chamada para a entrevista e, apesar de nervosa, decidiu mostrar a que veio.

E não é que conseguiu? Em setembro vai começar seu mestrado em gestão do esporte na Loughborough University, referência em sua área. A bolsa é de um ano e inclui todas as despesas acadêmicas, passagens aéreas, visto e seguro de saúde. Além disso vai receber uma mensalidade para suas despesas pessoais. Tudo pago pelo governo do Reino Unido.

Olga escolheu estudar na Inglaterra porque o país é referência em gestão do esporte. “Como sede dos últimos Jogos Olímpicos (2012), o Reino Unido tem muitos exemplos positivos a oferecer ao Brasil que sediará os próximos Jogos. Pretendo entender a organização do esporte no Reino Unido e voltar ao Brasil capaz de contribuir profissionalmente para o aproveitamento dos legados dos megaeventos esportivos realizados aqui”, conta.

“É possível conseguir uma bolsa, mas tem que correr atrás”, afirma a bolsista. “Conheci muita gente por causa dessa bolsa, tenho interagido com outros bolsistas de outras áreas como Jornalismo e Direito, que também se dedicam ao esporte. Tem sido uma experiência muito diferenciada”.

Olga deve estar de volta ao Brasil em meados de 2016 para os jogos olímpicos, cheia de novidades e com muito a oferecer ao esporte brasileiro. Que bom para nós!

Para saber mais sobre o Programa de bolsas Chevening, leia o post Bolsas de estudo para mestrado no Reino Unido: Programa Chevening publicado neste Blog há 2 semanas.

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Siga o Blog da Tissen no Facebook e no Twitter

Foto: Olga Correia – Embaixada do Reino Unido, Brasília.

Fonte: Salão do Estudante