Estudar fora em tempos de crise

Estudar fora em tempos de crise

Andrea Tissenbaum

06 Outubro 2015 | 16h37

Bansky Raingirl Corner. Foto: Infrogmation of New Orleans via Wikimedia Commons

Bansky Raingirl | Foto: Infrogmation of New Orleans via Wikimedia Commons

Tempos de crise são momentos em que temos que reavaliar planos. Leia as dicas da Tissen que vão te inspirar a realizar o sonho de estudar fora!

Em tempos de crise parece que uma nuvem cinzenta paira sobre as nossas cabeças. Como se nunca mais pudéssemos realizar sonhos, como se por um período indeterminado tivéssemos que colocar planos na gaveta porque a situação não permite que a gente faça nada além disso.

Mas, tempos de crise são momentos em que temos que reavaliar planos, mudar algumas rotas, ser mais criativos e flexíveis na forma como planejamos sonhos. Especialmente o de estudar fora.


Vale um exemplo pessoal. Há muitos anos atrás me preparei para estudar em Manhattan, Nova York, por um ano. A crise no entanto veio pesada. O dólar disparou e eu pude literalmente ver meu sonho se desmanchar, como em um desenho animado. Mas, não desanimei. Organizei-me de outra forma e criei um intercâmbio “caseiro”. Escrevi para uma família que conhecia em Long Island, região próxima a Manhattan, e acertei com eles ficar por um mês em sua casa. Foi bárbaro. Falava inglês o tempo todo, pegava o trem sozinha todos os dias para ir a Manhattan passear e ver coisas incríveis. Pude vivenciar intensamente a vida de uma família americana dessa região.

Tempos de crise não necessariamente são momentos em que não podemos realizar. Segundo dados da Belta, associação que congrega instituições de intercâmbio de todo o Brasil, a procura por cursos de idioma com foco em áreas específicas passou de 21% para 40% entre janeiro e julho de 2015, na comparação com o mesmo período no ano passado.

O momento é muito oportuno para investir na carreira e buscar uma melhor qualificação profissional. A vivência internacional e a fluência em um outro idioma são pontos altamente positivos em um currículo.

Então sopre a nuvem cinzenta, tome uma dose de otimismo e dê uma boa lida nas 12 dicas abaixo que te permitirão rever o seu plano de estudar fora:

– Visite sites que oferecem informações sobre o custo de vida das cidades no mundo e faça a sua pesquisa. Os sites EXPATISTAN e NUMBEO oferecem dados interessantes e detalhados.

– Reajuste seus planos: fuja das grandes cidades (que em geral tem um custo de vida muito alto) e opte por cidades menores.

– Escolha destinos diferentes, saia do lugar comum. Lugares mais econômicos como a Irlanda, Malta, Canadá, África do Sul, Espanha e Portugal podem ser uma excelente opção.

– Pense em fazer um intercâmbio na América do Sul. Sim, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica e México tem ótimas instituições de ensino superior com uma variedade imensa de cursos a um custo super razoável. O site da Universia oferece um guia de mobilidade internacional de universidades Ibero-Americanas que vale a pena conferir.

– Reveja suas contas e ajuste o seu orçamento mensal no exterior. É possível viajar sem gastar muito e ainda assim aproveitar demais seu tempo fora.

– Considere destinos em que o seu visto te permita trabalhar. A Irlanda, a Nova Zelândiaa Austrália e o Canadá permitem que você trabalhe enquanto estuda fora por períodos mais prolongados. E se você tem um passaporte europeu esse leque se abre ainda mais.

– Reduza o tempo da sua viagem e mergulhe de corpo e alma na atividade que se propõe a fazer. Será mais breve e mais intenso, mas não menos proveitoso.

– Considere fazer um voluntariado no exterior .

– Pesquise as opções oferecidas pela AIESEC, o intercâmbio de Jovens da Rotary e a AFS. 

– Se viajar com uma agencia, negocie sua forma de pagamento. Muitas agencias neste momento estão oferecendo descontos para quem quer estudar fora.

– Aproveite as mega-promoções de passagens aéreas.

– Corra atrás de uma bolsa de estudos. Dá trabalho, é verdade, mas compensa demais.

Planeje sua viagem com pelo menos um ano de antecedência. Organize-se. Faça uma pesquisa minuciosa, crie tabelas e escolha, com calma, qual experiência de estudar fora melhor se encaixa com as suas condições.

Andrea Tissenbaum, a Tissen, escreve sobre estudar fora e a experiência internacional. Siga o Blog da Tissen no Facebook e no Twitter