Como estimular o jovem ou a criança a ter um bom desempenho no aprendizado de um idioma?

Como estimular o jovem ou a criança a ter um bom desempenho no aprendizado de um idioma?

Berlitz Brasil

03 Maio 2017 | 16h32

 

 

*Rosemary Paulon

Preocupados em deixar um legado para a vida adulta de seus filhos, como cidadãos e profissionais, os pais buscam oferecer boas oportunidades em sua formação,  desde crianças,  matriculando-os nas melhores escolas ou nos melhores cursos. O aprendizado de um idioma, em especial o inglês, faz parte dos planos da grande maioria. E muitos ficam ansiosos para que seus filhos tenham um bom desempenho em qualquer atividade relacionada ao seu desenvolvimento pessoal e profissional. No caso do estudo do inglês, o jovem pode-se perguntar: “por que fazer um curso ou me dedicar mais às aulas? Tenho a internet para me ajudar”. Reação normal, afinal nossos filhos crescem tendo o mundo “na palma da mão” via internet.  Sabemos que essa facilidade não basta, mas fica a pergunta: como motivar o jovem ou a criança a aprender um idioma nesse universo em que tudo parece fácil e rápido?

A primeira dica é expô-lo ao novo idioma, por meio de filmes,  músicas , livros de contos/histórias em quadrinhos (os famosos mangás), em inglês e que sejam do interesse deles. Até mesmo os jogos eletrônicos são uma forma lúdica e divertida de envolver, motivar e despertar a vontade de aprender. No entanto, o envolvimento dos pais é fundamental. Compartilhar atividades e momentos de entretenimento torna tudo mais natural e prazeroso; melhora a motivação e ajuda o jovem a superar barreiras. Palavras de apoio e encorajamento devem ser respostas positivas ao desempenho dos filhos, um reconhecimento de seu esforço por aprender.

A escola é peça fundamental nesse processo. Se a intenção é matricular a criança ou jovem em uma escola de idiomas, para reforçar o aprendizado do curso regular, considere alguns critérios de avaliação:

1 – O método deve ensinar por meio da conversação, sem o desconforto de memorizações

2 – O aluno deve ter contato apenas com o idioma ensinado, sem uso da tradução, para estimular o pensamento natural no novo idioma

3- Turmas reduzidas de no máximo oito alunos em sala

4 – Programas que respeitem as faixas etárias e, por consequência, os interesses de cada uma delas 4

5 – As aulas devem ser dinâmicas e repleta de atividades  divertidas.

6- Que ofereça profissionais treinados para trabalharem com crianças e adolescentes.

E quanto aos jovens, como podem contribuir para melhorar seu desempenho? Teri Erhardt, diretora global de qualidade e treinamento do grupo Berlitz, em recente visita ao Brasil, deu algumas dicas: não ter medo de cometer erros ao falar e ler em outro idioma;  buscar uma interface com  pessoas que dominam o idioma, para ter um feedback sobre sua conversação; e ter um penfriend ou pen pal, amigo por correspondência de outro país. “Além de ajudar a aprimorar o idioma, você entrará em contato com outras culturas e diversidades, importante em sua formação como cidadão.”

*Rosemary Paulon é Diretora de Kids do Berlitz Brasil