Startups de Educação: Boas Dicas (Parte 2 de 4)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Startups de Educação: Boas Dicas (Parte 2 de 4)

Newton Campos

27 Abril 2013 | 14h37

Nesta segunda parte do fantástico artigo de James Byers e Adam Frey (fundadores do Wikispaces), eles advogam que o sucesso por trás das startups de tecnologia para a educação estará na clareza dos objetivos da jovem empresa e no apoio ao fortalecimento do papel do professor e das instituições de ensino no processo educativo. Novamente, deixo o link para o artigo original ao final do texto.

Tecnologia antiga e nova. Fotografia de Lukas Koster.

Tecnologia antiga e nova. Fotografia de Lukas Koster.

PARTE 2

Como vencer no setor de Tecnologia aplicada à Educação
(How to Succeed in Ed-Tech, por James Frey e Adam Byers, Nov 2012)

Deixemos nossa definição [de sucesso] de lado e destaquemos porque posicionamos a questão da sustentabilidade em primeiro lugar e procuramos beneficiar não apenas os estudantes, mas os professores e as instituições também.

Sustentabilidade

Quando uma empresa do setor de tecnologia para a educação é descontinuada, isso gera um grande problema. O impacto sobre os alunos, professores e administradores é muito maior do que em serviços semelhantes fora do setor da educação. O dinheiro para substituição de tecnologia está amarrado a um processo orçamentário anual. Funções de suporte tecnológico – já escassos em recursos humanos – devem conciliar esta emergência às responsabilidades existentes. Professores e administradores simplesmente não têm horas extras durante o ano letivo para treinamento em tecnologia. Os alunos precisam começar de novo com novos materiais e um produto novo para aprender.

Acreditamos que as startups de tecnologia para a educação têm um dever maior – o dever moral – para com os seus alunos, professores e administradores. Este dever não deve obrigar as startups a seguirem um caminho conservador. Em vez disso, os líderes destas startups devem imprimir em suas culturas a coragem de equilibrar risco e visão de longo prazo em suas missões.

Eles devem criar produtos que sobreviverão ao longo do tempo. Devem construir empresas que estarão por perto para apoiar estudantes e educadores após a próxima moda, após a próxima onda de mudanças tecnológicas, a próxima crise econômica. E moderar suas expectativas com uma boa dose de paciência. Empresas que são construídas para se sustentar estarão próximas do mercado por tempo suficiente para encontrar o sucesso.

Sirva aos estudantes

Ajudar aos alunos deve estar no coração de qualquer startup de educação de sucesso. Este será o seu maior desafio. Alcançar um grande número de alunos é difícil, ajudá-los de uma forma mensurável é mais difícil, e provar que foi você quem o fez é mais difícil ainda.

As conexões diretas entre o seu produto e os dados dos estudantes são tremendamente valiosas, tanto como são as pesquisas de qualidade; e mesmo o feedback indireto e as evidências informais são parte da solução. Independentemente da abordagem que você tome, qualquer prova verdadeiramente significativa de aprendizado leva tempo para se desenvolver. Uma discussão completa deste assunto está bem além do âmbito deste artigo. Para as pequenas empresas, o melhor conselho é manter o foco. Reduza o escopo de seu produto e simplifique o seu posicionamento até que você possa argumentar claramente sobre como a adoção do seu produto leva a melhores resultados de aprendizagem. Construir este argumento vai levar tempo, iteração (repetição), mente aberta, e aliados ao seu lado que saberão identificar quando você alcançou este objetivo: os professores.

Sirva aos professores

Os professores são o eixo central do processo educacional e chave para as startups de tecnologia para a educação em três aspectos importantes:

• Eles são os grandes facilitadores da adoção da tecnologia por parte dos estudantes. Professores decidem quais produtos e plataformas usar em suas salas de aula.

• Eles sabem melhor do que ninguém como ajudar os alunos a terem sucesso. Os professores vão lhe mostrar como construir um produto melhor, mas só se você respeitar o tempo deles e o fato de que todos os alunos, professores e escolas são diferentes. Um grande produto que requeira 25 horas ao dia não será usado. Um grande produto que requeira uma pedagogia muito específica não alcançará adoção em quantidade suficiente. Quando você fortalece os professores ao usarem sua tecnologia de forma eficaz, você amplia o impacto que eles podem ter sobre os alunos.

• Os professores exercem uma influência grande e crescente sobre as decisões de tecnologia de suas instituições. O impacto deste ponto final sobre as startups de tecnologia para a educação não pode ser desproporcionado.

Sirva às instituições

A visão popular dos últimos debates sobre as startups de tecnologia para a educação é a de atender aos alunos diretamente e deixar as instituições ou escolas de lado. Tomamos o ponto de vista oposto: abraçamos às instituições.

Não pretendemos sugerir que não há lugar para servir aos alunos diretamente ou que as instituições não precisem mudar radicalmente. Estamos entusiasmados por ambos os movimentos e com a promessa de mais acessos abertos ao conhecimento. Mas estamos conscientes de que a grande maioria dos estudantes em tempo integral nos EUA e ao redor do mundo são – e serão num futuro próximo – ensinados por professores de instituições de ensino tradicionais. Escolas estaduais, escolas municipais, programas regionais de educação, pequenas faculdades, grandes universidades.

Apesar da visão predominante de que servir instituições represente a morte das jovens startups de tecnologia para a educação, instituições de ensino estão passando por mudanças sem precedentes e ainda controlam orçamentos agregados de tecnologia na ordem de dezenas de bilhões de dólares. Em qualquer outra indústria isso seria visto como uma grande oportunidade. Nós não vemos nenhuma razão para que o mercado de ensino pense diferente.

As escolas perderam seu apetite em receber cold calls, lidar com longos ciclos de vendas, enormes contratos de software, implementações tortuosas e projetos carregados de riscos de longo prazo. Sem exemplos de adoção pela base do sistema, os vendedores não podem mostrar a única coisa que estas instituições mais anseiam: demonstrações de sucesso embaixo do seus próprios telhados.

Enquanto citações de clientes, artigos e analistas de pesquisas podem afirmar que um produto terá sucesso, os professores que já usam o produto em suas salas de aula são a prova real. O de-baixo-pra-cima substituiu o de-cima-pra-baixo. Nós estamos vendo mais e mais líderes de instituições grandes e pequenas influenciados por histórias de produtos que funcionam hoje com seus próprios alunos e professores. Os produtos de sucesso das startups de tecnologia para a educação vão traçar uma linha clara entre a adoção do produto e a melhora dos resultados dos alunos *e* fortalecer os professores para terem sucesso com o produto antes de sua adoção por suas instituições. Estabeleça-se nas salas de aula, bibliotecas e auditórios antes de levar o seu produto aos administradores.

Alcançar as instituições através de professores influentes é apenas o primeiro passo. Seu cliente institucional só vai ficar com você se você habilitá-los a servir sua população inteira de alunos e professores de forma eficaz e eficiente. Verifique se o seu produto e equipe estão prontos para ajudá-los na transição, dos early adopters (pioneiros) a todos os demais. Sente-se uma sensação incrível quando uma instituição abraça seu produto fundamentando-se no sucesso da base. Nós acreditamos que este seja também o alicerce ideal para muitas das startups de tecnologia para a educação que estão por vir.

Link para o artigo original completo (em inglês): https://www.edsurge.com/n/how-to-succeed-in-ed-tech

***

Para mais info (em inglês):
Meu Twitter (education): @neweduca
Meu Twitter (emerging economies): @emergeconomies
Meu Facebook: https://www.facebook.com/newton.campos.phd
Minha Home Page: http://www.newtoncampos.com