O professor do futuro e o fim das escolas como as conhecemos.
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O professor do futuro e o fim das escolas como as conhecemos.

Newton Campos

13 Outubro 2014 | 18h52

Este artigo foi publicado parcialmente na versão impressa do jornal “O Estado de S. Paulo” de hoje. Compartilho o texto com os leitores deste blog.

Conforme a integração tecnológica mundial avança, transformar e transmitir informações se torna uma tarefa não apenas crescentemente banal mas principalmente universal. Crianças, jovens, adultos e idosos agora carregam parte importante de suas vidas em seus bolsos. Mais do que isso, levam também as vidas de todos com quem se relacionam e até mesmo de quem desconhecem pessoalmente, mas que estão disponíveis para interação e suporte a distância: médicos, advogados, contadores, mecânicos… os mais variados tipos de serviços e conteúdos relacionados e estes serviços se fazem presentes com apenas alguns toques na tela de um telefone celular. Neste contexto, chega a ser emocionante acompanhar a chegada do professor a esta lista.

E eles não estarão sozinhos: softwares de aprendizagem adaptativa (adaptive learning) acompanharão o rendimento deles bem como dos alunos, estejam onde estiverem, dia a dia, traçando correlações estatísticas entre as notas obtidas e as características dos assuntos ensinados (dificuldade, formato, tipo de interação, professor que interveio no assunto, horário da aula, etc.), chegando-se a conclusões extremamente específicas e individualizadas da forma como cada um de nós aprendemos.

O que definia uma escola até pouco tempo atrás eram suas instalações, seu quadro de professores e os livros que eles recomendavam. Pouco a pouco, toda esta estrutura começa a ruir e começa a ser questionada como a combinação ideal de recursos para o aprendizado. A escola como local de encontro se tornará algo obsoleto quando os processos pedagógicos começarem a ser reorganizados pela ótica dos alunos. Sob esta ótica, possível apenas pela universalização da telecomunicação pessoal, os sistemas de troca de informação passarão a ser conduzidos pelo próprio indivíduo interessado no aprendizado, com uma rede sempre presente de apoio.

A partir daí, o professor deixará de ser aquele antigo e privilegiado agenciador de informações para assumir um papel ainda mais nobre no processo educativo: o de se tornar um mentor responsável por dar sentido à sobrecarga de informações e fazer esta rede interagir de maneira construtiva.

***

Para mais info (em inglês):
Meu Twitter (sobre assuntos relacionados a educação): @neweduca
Meu Twitter (sobre assuntos relacionados a empreendedorismo): @phdnew
Meu Facebook: https://www.facebook.com/newton.campos.phd
Minha Home Page: http://www.newtoncampos.com